Jornalista baiano (26/9/1762-7/6/1838). José Cipriano Barata de Almeida é um dos mais combativos defensores da independência do país do período do Império. Liberal-democrata, participa da Conjuração Baiana de 1798 e da Revolta Pernambucana de 1817. Deputado pela Bahia às Cortes Constitucionais, em Lisboa, em 1821 defende publicamente a separação do Brasil de Portugal.

No ano seguinte volta ao Brasil e inicia carreira de jornalista na Gazeta de Pernambuco. Em 1822 cria o jornal Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco, no qual acusa o imperador dom Pedro I de se comportar de maneira absolutista.

É preso e levado para o Rio de Janeiro, onde continua editando o jornal, cujo título é modificado para Sentinela da Liberdade na Guarita de Pernambuco Atacada e Presa na Fortaleza do Brum por Ordem da Força Armada e Reunida. A ousadia é punida com sucessivas transferências de prisão, o que sempre causa mudança no título da publicação.

É libertado em 1830. Vai para a Bahia e publica A Sentinela da Liberdade na Guarita do Quartel-General de Pirajá. No jornal encampa as ideias republicanas e federativas, sendo preso várias vezes.