Viajante e cronista alemão (séc. XVI), famoso pela narrativa de suas viagens pelo Brasil na década de 1540. Antes de sua passagem pelo país, nada se sabe de sua vida, a não ser que nasceu na cidade de Homberg, região central da Alemanha.

Quando desembarca pela primeira vez no Brasil, em 1547, fica em Pernambuco. Na segunda, em 1550, parte de Sevilha, na Espanha, para a ilha de Itamaracá, em Pernambuco. Chega a São Vicente, litoral paulista, no ano seguinte e é mantido prisioneiro pelos índios por mais de nove meses.

Relata suas aventuras na obra Viagem ao Brasil, intitulada, em edições posteriores, Duas Viagens ao Brasil. Escrito em 1557 e ilustrado com xilogravuras feitas sob sua orientação, o livro conta, entre outros fatos curiosos, como Staden evita ser devorado pelos tupinambás.

A obra faz sucesso na Europa e é publicada pela primeira vez no Brasil em 1892, por iniciativa do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, e depois traduzida por escritores brasileiros como Alberto Loefgren (1900), Monteiro Lobato (1925) e Guiomar de Carvalho Franco (1941).