Quem são os donos do Brasil? Poderia dizer, citando a canção Donos do Brasil, do novo disco do cantor Fagner, composta por ele em parceria com Nonato Luís e Paulinho Tapajós, que os Carijós, Maués, Guarás, Carajás, Cariris, Parecis, Tupinambás, Bororós, Guaranis, Guaraçás e Arauás, habitaram num Brasil remoto. Faz tempo que esta terra não é mais deles. Lembrar das tribos, significa imaginar um remoto país, dos antigos livros de história, antes dos portugueses...

De lá pra cá, os nossos Cariris metamorfosearam-se e passaram a ocupar as favelas, ruas e viadutos das grandes cidades. Foram excluídos, exterminados. Habitam a maior parte do Brasil, constroem por linhas indefinidas, o futuro do país. Estão nas estradas, dormindo mal, transportando a riqueza nacional, com qualidade de vida de países africanos, votando no político mais populista, sonhando com dias melhores. Ainda são donos do Brasil, pois estão nas ruas, nos espaços existentes, promovendo parte da violência civil cotidianizada.

Os donos do Brasil são os que se apropriam de parte importante do nosso PIB. São multinacionais, que produzem quase tudo que consumimos, enviando renda para o exterior, na forma de lucros, royalties, juros, entre outros. São eles que utilizam os dólares obtidos com o superávit na balança comercial (que tende a ultrapassar os US$ 30 bilhões este ano), para realizarem seus investimentos. São eles que dominam quase sozinhos setores a exemplo de telefonia, material de construção, energia, bens de consumo duráveis, entre outros, mantendo margens de lucros elevadas.

Outros, sobrevivem com as taxas de juros absurdas por aqui praticadas. São sócios do capital financeiro, especulam nas bolsas de valores e com os títulos de uma dívida perversa. São parasitários: ao somar a situação final dos participantes do jogo, se vê que lucram, em detrimento do orçamento público em saúde, educação e segurança. No ano passado, o governo utilizou R$ 112 bilhões com o pagamento de juros da dívida, o que significou mais de cinco vezes o orçamento do Sistema Único de Saúde!

Alguns outros, invadem a telinha da minha tv, para prometerem o céu aqui na terra, caso sejam eleitos. Fazem negociatas, se apropriam, enriquecem ilicitamente e sempre terminam beneficiando a si e aos seus familiares. Prometem amor e competência, mas mascaram relações sociais perversas: falam de povo, como se a sociedade fosse única, pacífica e não dividida por interesses e grupos diferenciados. Eles estão em Brasília, Fortaleza, Campina, São Paulo e em todos os lugares. São gentis, benevolentes, beneméritos, sorridentes, amigos de infância, adivinham o que eu quero antes que eu mesmo tenha consciência do que é bom pra mim.

Cresci ouvindo falar de que o Brasil é o país do futuro, “futuro que insiste em não vir por aqui”, segundo uma belíssima música de Toquinho. Para muitos, o futuro já chegou: é resultado da divisão injusta da nossa riqueza, resultando em alguns sorridentes e outros desdentados. Se existirá um futuro melhor para nós, atuais Cariris e Bororós, será apenas se tivermos um país voltado para a nossa qualidade de vida. Ou, nem preciso ir muito longe, a ponto de propor revoluções: que tal, um SUS que funcione de fato, uma educação pública de qualidade, apenas para começar? Aí sim, os donos do Brasil serão outros.