Sólidos e líquidos resistem a esforços de tração (ilustração abaixo, à esquerda); este fato da experiência revela forças de atração entre os corpúsculos (átomos ou moléculas) que compõem o corpo ensaiado; mesmo em gases e vapores, existem débeis forças de atração entre os corpúsculos (efeito Joule -Thompson). Tais forças de atração exercidas entre corpúsculos da mesma espécie química são denominadas forças de coesão.

Esforços de tração crescentes aplicados a um corpo alongam-no até rompe-lo; isto demonstra que as forças de coesão diminuem rapidamente à medida que aumenta a distância entre os corpúsculos.
Forças de atração entre corpúsculos de espécies químicasdiferentes são denominadas forças de adesão.

 Por exemplo, a água adere fortemente a uma superfície de vidro perfeitamente desengordurada. Na experiência ilustrada acima, à direita, uma carga suficientemente grande no prato à direita determina o levantamento da lamina de vidro; a inspeção desta revela estar molhada a face inferior. Portanto, o levantamento do vidro se dá com superação das forças de coesão, sem vencer as de adesão; assim constatamos que a adesão entre a água e o vidro é mais intensa do que a coesão da água.

Cola e madeira, solda de estanho e fios de cobre, são exemplos de substâncias entre as quais se desenvolvem forças de adesão consideráveis.

A esforços de compressão a matéria resiste indefinidamente, portanto desenvolvem-se entre os corpúsculos forças crescentes de repulsão quando eles são aproximados mais e mais. As forças exercidas entre as moléculas são denominadas forças de Van der Waals.

Do exposto depreende-se que as forças de Van der Waals variam em função da distância que separa as partículas da maneira representada no gráfico ao lado.
As forças entre os corpúsculos são nulas quando a distância é ON, ou quando a distância é muito grande relativamente a ON. As forças são de repulsão quando a distância é inferior a ON; elas são de atração quando a distância é superior a ON, máxima quando a distância é OM.
Para distâncias maiores do que OM as forças de atração decaem acentuadamente, tornando-se desprezíveis a partir de certa distância OZ cuja ordem de grandeza é algumas vezes OM.

Dado um corpúsculo X, denomina-se esfera de ação molecular a esfera de centro X e raio OZ. O corpúsculo X aplica forças sobre todos os demais corpúsculos situados dentro da esfera de ação, e sofre as correspondentes reações. Entre o corpúsculo X e os corpúsculos fora de sua esfera de ação as forças despertadas são desprezíveis. O raio de ação molecular é da ordem de 15x10-8 cm (Quincke).