[Luis Fernando Veríssimo]

No livro encontramos idéias e explicações sobre uma variedade de assuntos, dentre os quais podemos citar: complexo, delírios, honra e até mesmo uma entrevista com o próprio Analista de Bagé na qual se declara freudiano, mas com muito respeito pelos demais ícones da Psicanálise, como: Jung, Adler, Melanie Klein.

No tocante a honra, temos a estória de um compadre do analista de Bagé. Consta que a esposa do compadre, dona Rosa Flor, queria deixar o Rio Grande do Sul e ir para o Rio de Janeiro, coisa preocupante tanto para o marido, como para o analista que pediu para falar com Rosa Flor. Tendo em vista a confirmação da esposa de que o marido não mais cumpria com suas obrigaçoes de marido, entenda-se por assim dizer, obrigações sexuais, o analista de Bagé entendeu o motivo da vontade de Rosa de ir para o Rio de Janeiro.

Dentre as idéias inovadoras de analista de Bagé, podemos citar a criação de grupos para jogar futebol de salão, sendo que os sádicos ficam num time e os masoquistas no outro, desta maneira se a violência ocorrer, não será novidade.

Devido a intensa procura por seus métodos de análise, o analista de Bagé viu-se obrigado a fazer uma triagem em sua clientela, passando a aceitar somente casos considerados de difícil manuseio. Dentre suas técnicas pode-se dizer que há a técnica do joelhaço que o analista declara ter aprendido com um médico de seus tempos de criança.
Segundo ele, quando a criança dizia que estava com dor de ouvido, o médico dava um beliscão no braço até a criança gritar: "tô com saudade da dor de ouvido".

O analista de Bagé estudou em muitos lugares, dentre os quais,Viena, porém sua especialização, foi feita em Passo Fundo. Aos pacientes é oferecido chimarrão e são convidados a deitar-se em um pelego, ao invés de um divâ.

Podemos encontrar no presente livro uma forma bem humorada de tratar com as dificuldades psíquicas da raça humana, trazendo assim, o riso e a descontração para as salas psicanalíticas, fazendo-as parecer lugares de descontração ao invés de lugares inacessíveis para a maioria de nós. Fica claro desde o início do livro que a sátira é a marca registrada, tornando muitos de nossos conflitos, coisas mesquinhas. Realmente através de uma melhor estruturação e análise de nós mesmos, podemos declarar que em muitos casos somos infantis e fazemos tempestade em copo d'água.

Vanguarda em <http://pt.shvoong.com/books/1713958-todas-hist%C3%B3rias-analista-bag%C3%A9/>

Análise Crítica

O personagem de Luís Fernando Veríssimo não possui um nome específico e é conhecido apenas como Analista de Bagé. De caráter íntegro e com posicionamentos fortes em relação a temas tabus, estereótipo do cidadão tipicamente gaúcho, o personagem atende seus pacientes na maioria das vezes de forma descortês, sendo que suas atitudes acabam por gerar no leitor um efeito de humor. O personagem é caracterizado como freudiano ortodoxo, porém seus métodos diferenciados de tratamento podem ser questionados. Prefere atender os casos difíceis, já previamente selecionados por sua prestimosa secretária Lindaura, sob a alegação de que “cavalo manso é pra ir na missa”.

Entre seus métodos alternativos, e uma das razões de seu sucesso profissional, está a Terapia do Joelhaço, aplicada em caso de depressão em pacientes homens, “pois em mulher só se bate pra descarregá (sic) energia”4. A técnica consiste em dar um golpe com o joelho na barriga do paciente. Em seguida ele é conduzido ao famoso divã recoberto com pelego tradicional onde começa a ser analisado. Após realizar um reforço positivo em resposta aos problemas enfrentados pelo paciente, o analista pergunta se o que ele sente afinal é pior que o joelhaço ganhado.

Com esse comportamento masculino estereotipado, representando o típico macho rude atrelado a seu comportamento nada convencional para um psicanalista, o personagem de Veríssimo atrai a simpatia do público masculino, razão esta, entre outras, que possibilitou a inserção das histórias em uma importante revista masculina brasileira (Playboy), local em que fizeram sucesso durante os anos de 1983 e 1992.

Yves Figueiredo de Oliveira

Máximas do Analista de Bagé

  • "Pra besteira e financiamento do Banco do Brasil, sempre se arranja um jeito."
  • "Se todo mundo fosse gaúcho, ser gaúcho não teria vantagem."
  • "Engraçado é gorda botando as calça."
  • "O gaúcho é o que é porque a bombacha dava espaço."
  • "Quem trepa vestido é padre e tartaruga."
  • "[Tive] uma infância normal de interior: o que não aprendi no galpão, aprendi atrás do galpão."
  • "Pra amarrar cavalo no campo e mulher em casa, só carece de pau firme."
  • "Más prestimosa que mãe de noiva em dia de casamento."
  • "Mais enrolado que lingüiça de venda."
  • "Mais por fora que joelho de escoteiro."
  • "...e a indiada mentindo mais que guri pra entrar em baile."
  • "Mais rápido do que enterro de pesteado."
  • "Mais caro que argentina nova na zona."
  • "Mais bagunça que espirro em farofa."
  • "Mais comentada que vida de manicure."
  • "Roda de carreta chega cantando e se vai gemendo."
  • "Bravateiro como castelhano em chineiro"
  • "Sujo como pé de guri"
  • "Branco como catarina assustado"
  • "Duro como trança de beata."
  • "Más vale ser touro brocha que boi tesudo."
  • "Pra guaipeca, pontapé é mimo."
  • "Más sagrado que Deus e a mãe, só dívida de jogo."
  • "Se a toca é ancha, o tatu é gordo."
  • "Pela cabeleira, o julgamento é canhestro: pode ser china ou maestro."
  • "Más seco que penico de cego."
  • "Más triste que tia em baile."
  • "Cavalo de borracho sabe onde o bolicho dá sombra."
  • "Más tradicional que caixa de Maizena."

 


Download do Livro completo