Hibernação

Alguns animais, durante o inverno, passam por um estado de dormência denominado hibernação. A explicação para o fenômeno da hibernação envolve a compreensão dos mecanismos de regulação de temperatura desses animais. Uma das principais características das aves e dos mamíferos é a sua capacidade de manter o corpo a uma temperatura constante, por isso são conhecidos como animais homotérmico ou animais de sangue quente. Em um ambiente frio, para manter a temperatura corpórea constante, é preciso evitar-se a perda de calor e/ou ganhar mais calor de alguma forma. Esses animais recorrem a várias estratégias, mesmo comportamentais, contudo, a temperaturas muito baixas torna-se essencial um aumento bastante acentuado do metabolismo do indivíduo. Esse seria o único modo de produzir calor, consumindo as reservas alimentares através de reações químicas com oxigênio. Portanto, em tais condições de frio intenso e prolongado, a manutenção de uma temperatura do corpo constante pode ser bastante custos, especialmente se os recursos alimentares são escassos.

IlustraçãoSe os animais apresentam um tamanho reduzido, o problema é agravado, uma vez que o metabolismo dessas criaturas já é bastante elevado em condições de temperatura normais. O aparecimento da hibernação possibilitou a sobrevivência de várias espécies de morcegos, beija flores, roedores e insetívoros, ao longo do inverno. Nesse período de baixas temperaturas e redução dos recursos alimentares, esses animais deixam de controlar sua temperatura corpórea que iguala-se a temperatura do meio. O organismo diminui a sua taxa metabólica, sua frequência cardíaca, sua respiração, suas capacidades sensoriais e preceptivas e, consequentemente, obtém uma redução dos gastos energéticos. Aparentemente, todo esse processo é relativamente simples, por isso, durante muito tempo, acreditou-se que a hibernação seria uma característica “primitiva”. Afinal, os animais que hibernam, apresentam no inverno as mesmas características dos animais de sangue frio como anfíbios e répteis, em outras palavras, de alguma forma na hibernação perderiam a capacidade de controlar a temperatura do seu corpo. Hoje sabemos que a hibernação não é uma deficiência fisiológica, envolvendo, na verdade um controle rígido das funções do organismo. O complexo mecanismo de controle relaciona-se tanto ao início do período de hibernação, quanto a sua duração e ao chamado despertar, o fim da dormência.

O início da hibernação foi estudado, por exemplo, em morcegos. Através de experimentos comparativos, verificou-se que a redução da temperatura em animais hibernantes provoca de início uma redução do consumo de oxigênio, e, consequentemente, há uma redução do metabolismo. No caso do morcego norte-americano Eptecicus fuscus, o metabolismo à temperatura de 15ºC, quando o animal já está em estado de torpor, é 40 vezes menor do que quando está ativo com uma temperatura corpórea de cerca de 35ºC. Paralelamente, estudos com o camundongo de bolso, revelaram que não apenas a queda da temperatura, mas também a falta de alimento poderiam levar o animal a entrar em hibernação. A medida que foi reduzido o suprimento alimentar do animal, ele entrou em estado de dormência por algumas horas.

A partir desses e de outros experimentos, foi possível concluir que a hibernação pode ter início em resposta a qualquer fator que dificulte a manutenção da temperatura corpórea constante, seja uma redução da temperatura ambiental ou de substâncias para produção de energia, em ambos os casos a há diminuição do consumo de oxigênio. Cabe acrescentar que com uma concentração menor de oxigênio no sangue há uma redução do ph desse fluido e muitas das enzimas ficam inativas nessas novas condições. O despertar é outro momento crucial na hibernação. É nesse período que há o maior gasto de energia na hibernação, afinal, o corpo irá recuperar suas funções e novamente atingir sua temperatura normal. Para tanto, dois mecanismos são ativados um que envolve o tecido muscular e outro um tecido adiposo especial, a gordura marrom. Normalmente quando sentimos frio, começamos a tremer, ou seja, nossa musculatura como que ”chacoalha” para aquecer nosso corpo. O mesmo ocorre quando um animal entra no despertar, o sistema nervoso ativa músculos antagônicos que se contraem alternadamente, sem produzir qualquer movimento, mas sim levando a produção de calor.

Como dissemos, há outro mecanismo para o restabelecimento da temperatura normal do organismo que ocorre na gordura marrom. Esse tecido adiposo possui uma cor amarronzada devido a grande quantidade de mitocôndrias presentes em suas células. Ao contrário do que normalmente ocorre em outras regiões do corpo, as mitocôndrias da gordura marrom não sintetizam ATP e a energia da oxidação é dissipada na forma de calor. Assim, há uma elevação da temperatura corpórea e a recuperação das funções normais do organismo. É importante notar que o processo de despertar é muito mais rápido do que o de entrar em dormência. Em uma espécie de esquilo, por exemplo, o início da hibernação engloba um período de doze a dezoito horas, enquanto que o despertar tem uma duração de somente três horas.

A partir de uma definição mais clara do que é o processo de hibernação, é possível verificar quem seriam os verdadeiros organismos hibernantes. Quando falamos de hibernação um dos primeiros animais que nos vem a cabeça é o urso. Mas será que realmente o urso pode ser considerado um hibernante? Para a maioria dos fisiologistas a resposta é não, apesar dos filmes, desenhos animados e livros, frequentemente retratarem os ursos como tal. Durante o inverno, os ursos não passam por uma redução acentuada de sua temperatura corpórea, que cai apenas alguns graus. Tampouco há a diminuição grande da taxa respiratória ou cardíaca. De fato, nessa época do ano, esses grandes mamíferos dormem muito, mas procuram um local abrigado como cavernas e tocas, de forma a evitar a perda de calor corpóreo. Além disso, salta aos olhos o fato de que as fêmeas geralmente têm seus filhotes no inverno. Certamente um animal em hibernação não iria gerar sua prole nesse período, pois o parto demanda um grande gasto energético bem como profundas transformações fisiológicas no organismo.



Últimas Notícias

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

Quinta, 14/08/14
O IBGE espera autorização do governo federal para realizar um concurso público, ... mais »
UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

Quinta, 14/08/14
Os candidatos que desejarem realizar sua inscrição devem procurar a secretaria d... mais »
Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Quinta, 14/08/14
As 140 vagas à serem preenchidas são para os cargos de Pesquisador em Propriedad... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora