Fim da URSS, O

Em pouco menos de duas década, a geopolítica global conheceu uma grande reviravolta. No início dos anos 80, era inconcebível a ideia de um possível colapso da URSS. Supor que a grande nação socialista, a opositora aos Estados Unidos no contexto geopolítico bipolar, implodiria política e economicamente ia contra todas as expectativas, considerando-se a iminente ameaça de um hecatombe nuclear.

A URSS entra na década de 80 sob boicote dos Estados Unidos, devido ao fato de ter invadido o Afeganistão e apoiado os sírios na guerra civil libanesa, os sandinistas na Nicarágua, e boa parte dos movimentos ditos de esquerda, em todos os quadrantes do planeta.

Neste período as negociações de paz caminha muito lentamente. A Europa vive o pesadelo de ser palco do confronto entre as superpotências, a Alemanha está dividida, e a Polônia há pouco escapou de uma intervenção do Pacto de Varsóvia.

Esse é o panorama de um tempo aparentemente distante, que a maioria das pessoas quer ver sepultado. Este quadro caótico torna-se ainda menos suave, se nos aprofundarmos na ordem mundial, no decorrer da década de 80.

A rápida transformação pela qual o mundo passou, em que pesa o surgimento de novas questões como a ecologia, teve seu início na URSS, semelhante à queda de uma fileira de peças de dominó.

A Glasnost e a Perestroika

Quando em 1985 Mikhail Gorbatchev assumiu o poder na URSS, enfrentou o caos. A superpotência que detinha uma capacidade nuclear suficiente para destruir a vida no planeta várias vezes encontrava-se à beira do abismo. Os problemas eram tantos e em tantos setores, que desde o início o mais jovem líder da URSS implementou reformas.

As reformas não significavam que o socialismo havia dado errado, ou que o capitalismo havia vencido. As mudanças de ordem estrutural propostas por Gorbatchev visavam à modernização do país, mas para isso seria necessário o desenvolvimento real dos problemas, apartado da maquiagem da burocracia, solidificada, no país, sob o contexto de defesa dos interesses do povo, no contexto da Guerra Fria.

Uma tentativa de se aplicar a planificação estatal na solução desses problemas certamente fracassaria, pois havia muito a população amargava uma queda em seu precário padrão de consumo.

Exigir sacrifícios, e eles seriam necessários, da população já demasiadamente sofrida e incrédula na ação do Estado seria como acender o estopim do caos político que eclodiriam ou num conflito interno sem precedentes, ou na volta da linha dura.

A reestruturação econômica do país, denominada Perestroika, só seria possível com a adoção de uma política de transparência, democrática, possível apenas com a prerrogativa da participação popular - a glasnost.

A Perestroika não se resumia num esforço para acabar com o socialismo na URSS. Consistia, sobretudo, em um processo de reestruturação da economia, no qual os problemas - como a ineficiência da produção agrícola e industrial, os excessivos gastos com a corrida armamentista, a estrutura política e econômica demasiadamente burocratizada, e a falta de opções para os modelos de produção impostos, alheios à realidade da população -, devidamente equacionados, seriam atacados em prol do crescimento do país e de uma nação realmente democrática.

Essa reestruturação teria apoio popular, desde que o povo fosse ouvido, seus anseios atendidos, perspectivas fossem criadas. Na tentativa de carrear a que se configurou como um processo democrático jamais visto na URSS, expôs as mazelas do país. Além da insatisfação econômica, em que a produção se mostrava superpotência, a abertura política possibilitou a emersão de problemas de ordem étnico-nacionais, que anos de linha dura conseguiram amainar ou esconder definitivamente, dando-lhes uma dimensão mesquinha, alheia aos interesses do país.

À medida que as reformas evoluíram, surgiam novos problemas decorrentes dos desvios dos ideais socialistas colocaram em choque a postura em relação ao bloco vital - os Estados Unidos e seus aliados - e aos membros de seu próprio bloco, antes com relativa coesão, agora ante o esfacelamento.

Enfim, ao buscar um meio de modificar as estruturas políticas, econômicas e sociais do país, Gorbatchev, com a Perestroika e a glasnost, criou uma situação em que o país, no âmbito internacional, cessa de intervir em outras nações por interesses geoestratégicos, deixando assim de ocupar o lugar de liderança no mundo socialista, agora voltado para seus próprios problemas; e, no âmbito nacional, enfrenta as dificuldades econômicas, a oposição política de segmentos radicais, tanto daqueles a favor de um postura mais enérgica do Estado, como daqueles favoráveis ao capitalismo, somadas às questões nacionais, em um novo contexto, apoiadas pela comunidade internacional, e particularmente pelas nações ricas que mais tarde viriam a socorrer o país.

As mudanças propostas por Gorbatchev sucumbiram diante de um mosaico de problemas. Da mesma forma que o socialismo real tinha sido golpeado com a falta de democracia, que recorria aos perigos da Guerra Fria, essas mudanças afundavam no terreno movediço das nacionalidade, e no ressentimento de anos e anos de linha dura.


Últimas Notícias

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

Quinta, 14/08/14
O IBGE espera autorização do governo federal para realizar um concurso público, ... mais »
UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

Quinta, 14/08/14
Os candidatos que desejarem realizar sua inscrição devem procurar a secretaria d... mais »
Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Quinta, 14/08/14
As 140 vagas à serem preenchidas são para os cargos de Pesquisador em Propriedad... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora