Adaptação

Etimologicamente, uma adaptação possibilita a seu possuidor a fazer algo. Na fisiologia esta palavra é empregada para descrever o ajustamento do ser vivo ao seu ambiente. Para a biologia evolutiva, uma adaptação é uma característica que, devido ao aumento que confere no valor adaptativo, foi moldada por forças específicas de seleção natural atuando sobre a variação genética. Mas a conceituação dessa palavra na biologia atual é muito complexa e mal feita.

No entanto, o estudo das adaptações dos organismos é o objetivo central dos estudos em biologia. As principais explicações às adaptações são duas: ela foi herdada do seu ancestral direto, ou seja é uma consequência da sua genealogia evolutiva ou; a adaptação se desenvolveu durante a vida do organismo. A especiação não implica em “adaptar” o organismo, mas ela provoca consequências para a adaptação e para a evolução a longo prazo. Ao cortar o fluxo gênico entre duas ou mais populações, cada uma delas, dependendo do organismo e da sua estrutura populacional, vão tender a se diferenciar geneticamente, esta diferenciação é muitas vezes influenciada e condicionada pelo novo ambiente em que estão vivendo.

Ao longo do tempo, e se permanecerem isoladas o tempo suficiente, cada população pode desenvolver características próprias, que as capacitam a sobreviver e se reproduzir no ambiente onde vivem. No entanto, a dificuldade que existe em estudar qualquer característica que um grupo de organismos de um determinado local possua, desde o ponto de vista de adaptação ao ambiente é quase impossível, pois a relação de uma população com seu ambiente pode não ser mensurável. Uma enzima que capacita um inseto a digerir seu alimento mais eficientemente pode capacitá-lo a produzir mais ovos e, ser favorecido pela seleção, embora a população pode não aumentar sua densidade se é limitada pela predação.

Darwin valeu-se muito do método comparativo para obter ideias sobre a adaptação, correlacionando as diferenças entre as espécies e os diferentes fatores ecológicos aos quais estão submetidas. Utilizando esse método podemos inferir, por exemplo, que a ausência de folhas é uma adaptação das plantas para ambientes com pouca água, porque este é um traço apresentado por muitas plantas não relacionadas genealogicamente mas que vivem nesses ecossistemas. Estudos de correlação entre as características dos organismos e os fatores ambientais aos quais estão submetidos fornecem evidências sobre o valor adaptativo das características, mas as evidências direta deve vir de estudos experimentais. A hipótese sobre a coloração de advertência de um organismo pode ser testada alterando sua coloração e estudando as consequências.

Podemos obter informações sobre evolução de um caracter dentro de um grupo, estudando a sua filogenia, observando se ele esta presente em vários grupos fortemente relacionados, quantas vezes ele aparece e desaparece e as condições ambientais às que está associado.


Últimas Notícias

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

Quinta, 14/08/14
O IBGE espera autorização do governo federal para realizar um concurso público, ... mais »
UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

Quinta, 14/08/14
Os candidatos que desejarem realizar sua inscrição devem procurar a secretaria d... mais »
Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Quinta, 14/08/14
As 140 vagas à serem preenchidas são para os cargos de Pesquisador em Propriedad... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora