Geotropismo

Movimento trópico determinado pela gravidade, realizado pelos órgãos vegetais. Através do geotropismo, juntamente com o fototropismo, as plantas orientam-se no espaço. O geotropismo possibilita o crescimento vertical mesmo sobre substratos inclinados. Quando os eixos caulinares são desviados da posição vertical, voltam a ela graças a sua capacidade de crescimento geotrópico.

De acordo com o tipo de resposta à gravidade desenvolvida pelo órgão vegetal, distinguimos entre: geotropismo negativo, quando o crescimento ocorre em direção contrária ao centro da Terra; geotropismo positivo, quando o crescimento ocorre em direção ao centro da Terra; plagiogeotropismo ou geotropismo transversal, quando o crescimento é mais ou menos horizontal, isto é, paralelo à superfície da Terra. O geotropismo negativo é realizado pela maioria dos eixos caulinares, o geotropismo positivo pelas raízes principais e o geotropismo transversal por raízes adventícias, caules rastejantes, ramos laterais e folhas. Quando o geotropismo transversal é exatamente paralelo à superfície terrestre, fala-se em diageotropismo. Geotropismo positivo e negativo são também denominados de ortogeotropismos.

IlustraçãoEm alguns órgãos vegetais, a reação geotrópica é mutável dependendo das condições internas e/ou externas. A extremidade do pedicelo da flor da papoula (Papaver sp.), por exemplo, cresce, inicialmente, por geotropismo positivo. O botão floral pende, portanto, para baixo. A medida que a flor abre, contudo, o pedicelo passa a orientar-se por geotropismo negativo, sendo que a flor aberta então se levanta. Em certas espécies, o comportamento geotrópico dos pedicelos se altera após a fertilização. No amendoim (Arachis hypogaea), por exemplo, os pedicelos ide início são geotrópicos negativos. Depois da polinização da flor e com o início do desenvolvimento do fruto, tornam-se geotrópicos positivos, crescendo para o interior da terra. O fruto então amadurece sob a superfície do solo.

A percepção da gravidade ocorre em zonas sensíveis, como as gemas apicais e as zonas de alongamento caulinar. Na raiz, o estímulo da gravidade parece ser percebido na região da coifa. Segundo a teoria dos estatólitos, existem aqui células com partículas (por exemplo, grãos de amido) que, com seu peso, estimulariam determinadas regiões e organelas celulares. O crescimento ou o alongamento propriamente ditos parecem estar relacionados com uma assimetria da quantidade de auxina nas diferentes porções do órgão vegetal.


Últimas Notícias

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

Quinta, 14/08/14
O IBGE espera autorização do governo federal para realizar um concurso público, ... mais »
UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

Quinta, 14/08/14
Os candidatos que desejarem realizar sua inscrição devem procurar a secretaria d... mais »
Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Quinta, 14/08/14
As 140 vagas à serem preenchidas são para os cargos de Pesquisador em Propriedad... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora