Acordos Econômicos

AELC (Associação Europeia de Livre Comércio)

Tratado do qual faziam parte o Reino Unido, Portugal, Espanha, Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia, Islândia, Suíça, Liechtenstein e Áustria. Não obteve o mesmo sucesso das demais organizações, pois os interesses dos países-membros eram bastante diferenciados, dificultando a integração econômica.

A Extinção da ALALC (Aliança Latino-Americana de Livre Comércio) e o surgimento da ALADI (Associação Latino-Americana de Desenvolvimento Integrado)

O Tratado de Montevidéu (1960) criou a ALALC - Aliança Latino-Americana de Livre Comércio, em parte por inspiração dos tratados de Roma que instituíram a Comunidade Econômica Europeia, o início da integração da Europa ocidental. Essa aliança tentou intensificar as relações comerciais entre os países do continente e facilitar a penetração, nos mesmos, das empresas transnacionais dos Estados Unidos.

Devido à diversidade e à instabilidade das políticas econômicas dos países-membros. A Alalc se limitou a uma zona de preferências comerciais para as empresas transnacionais (multinacionais) e para as maiores empresas locais.

A Alalc foi extinta em 1980 sendo seguida pela Aladi (Associação Latino-Americana de Desenvolvimento Integrado), no segundo Tratado de Montevidéu (1980). A mudança aconteceu pela ampliação do enfoque de zona livre de comércio a uma área também desenvolvimentista com o estabelecimento de tarifas alfandegárias regionais.

A Aladi, permanece com sede em Montevidéu e seus membros são: México, Paraguai, Peru, Uruguai, Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador e Venezuela.

A ALCA (Associação de Livre Comércio das Américas)

Chefes de Estado de 34 países assinaram em Miami, em 9/12/94 uma Carta de Intenções para a formação de uma área de Livre Comércio desde o Alasca à Terra do Fogo, exceto Cuba, que deverá estar concluída em 2005.

Recife (PE) e Rio de Janeiro sediaram, respectivamente, de 25 a 27 de fevereiro e março de 1997, a 2ª e 3ª reunião preparatória.

A ALCA englobaria os países membros do NAFTA, MERCOSUL, COMUNIDADE ANDINA, MERCADO COMUM CENTRO AMERICANO E MERCADO COMUM do CARIBE além de: Chile, Rep. Dominicana, Panamá, Haiti e Suriname.

O maior interessado na ALCA são os Estados Unidos que, dessa forma tentam a hegemonia econômica no Continente.

Recentemente o "Encontro dos 12" que realizou-se em Brasília, foi visto pelos Estados Unidos como uma ameaça à sua posição de destaque com a criação da ALCA.

A Extinção da ALALC (Aliança Latino-Americana de Livre Comércio) e o surgimento da ALADI (Associação Latino-Americana de Desenvolvimento Integrado)

O Tratado de Montevidéu (1960) criou a ALALC - Aliança Latino-Americana de Livre Comércio, em parte por inspiração dos tratados de Roma que instituíram a Comunidade Econômica Europeia, o início da integração da Europa ocidental. Essa aliança tentou intensificar as relações comerciais entre os países do continente e facilitar a penetração, nos mesmos, das empresas transnacionais dos Estados Unidos.

Devido à diversidade e à instabilidade das políticas econômicas dos países-membros. A Alalc se limitou a uma zona de preferências comerciais para as empresas transnacionais (multinacionais) e para as maiores empresas locais.

A Alalc foi extinta em 1980 sendo seguida pela Aladi (Associação Latino-Americana de Desenvolvimento Integrado), no segundo Tratado de Montevidéu (1980). A mudança aconteceu pela ampliação do enfoque de zona livre de comércio a uma área também desenvolvimentista com o estabelecimento de tarifas alfandegárias regionais.

A Aladi, permanece com sede em Montevidéu e seus membros são: México, Paraguai, Peru, Uruguai, Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador e Venezuela.

A APEC (Associação de Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico)

Também no sudeste e no leste da Ásia, na Oceania e na parte a América banhada pelo oceano Pacífico formou-se um imenso mercado internacional. Trata-se da Apec – Associação de Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico. São quinze os membros fundadores da Apec:

  • EUA – Canadá - (Nafta)

  • Hong Kong, Cingapura, Taiwan e Coréia do Sul (Tigre Asiáticos)

  • Japão

  • China Popular

  • Brunei

  • Tailândia, Malásia e Indonésia.

  • Filipinas e Vietnã (recém admitido)

  • Austrália e Nova Zelândia

  • México (recém admitido - futuro membro)

  • Chile (recém admitido - futuro membro)

Também o México e o Chile foram aceitos, mas na condição de futuros membros. Antes da criação da APEC falava-se muito na formação de um "bloco asiático" comandado pelo Japão, que seria a grande potência da Ásia e também da Oceania, pois já havia ocupado o antigo lugar privilegiado da Grã-Bretanha nas relações comerciais com a Austrália e a Nova Zelândia. Mas o que ocorreu de fato foi a criação de um imenso mercado internacional onde não há um grande líder e sim dois ou três (Estados Unidos, Japão e talvez China). O oceano Pacífico, e não a Ásia, é que acabou sendo o elemento de união desse "bloco comercial".

Asean – Associação das Nações do Sudeste Asiático

No final do ano passado em Cingapura, líderes asiáticos injetaram uma dose de realidade ao plano de integração econômica regional, alertando que a criação de uma zona de livre comércio na Ásia era um projeto de longo-prazo.

Os 10 membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), ao final de três dias de conversações, também reconheceram que o plano de formar um grupo político com o Japão, China e Coréia do Sul não sairia do papel tão cedo.

"Todos os líderes entendem que essas são meras ideias que devem ser estudadas e cuja implementação se dará a longo-prazo", afirmou o primeiro-ministro de Cingapura, Goh Chok Tong, em uma coletiva de imprensa.

O premiê da Malásia, Mahathir Mohamad, concorda. "Achamos que existe a possibilidade de uma zona de livre comércio e investimento, mas isso não ocorrerá tão logo", disse ele.

As precauções de Goh contradizem seu tom exaltado no dia anterior, quando sugeriu "duas grandes ideias"de uma zona de livre comércio e ligações institucionais com o Nordeste Asiático, que emergiram do encontro dos líderes da ASEAN com os três importantes vizinhos.

Goh, em particular, afirmou que a precipitação poderia arruinar a ASEAN. As economias da China, Japão e Coréia do Sul, combinadas, produzem cinco vezes mais do que os parceiros pobres do Sudeste Asiático.

"Há, claro, o risco da ASEAN desaparecer", disse Goh. "Se compararmos os membros da ASEAN com o Leste Asiático, nós somos completamente inexpressivos economicamente."Goh acredita que, no momento, a ASEAN deve se concentrar na integração de seus quatro membros mais pobres -- Laos, Camboja, Vietnã e Mianmar -- que não tinha se juntado ao grupo, de 33 anos, até 1990.

Mahathir completou: "Precisamos identificar os problemas e preocupações de nossos parceiros para assegurar que essas ideias não serão prejudiciais para alguns dos nossos membros menos desenvolvidos."Sérias considerações sobre a criação de uma área de livre comércio, seja com a China apenas ou com os três parceiros do Nordeste Asiático, irá obrigar primeiramente a ASEAN a liberar suas economias e concluir sua própria zona de livre comércio.

Isso já representa uma tarefa complicada aos países que ainda não se recuperaram completamente da crise de 1997, que levou a região a uma crise profunda.

BENELUX

(Bélgica, Nederland - ou países baixos - e Luxemburgo): tratado firmado entre esses três países, estabelecendo o livre comércio entre eles e transformando as três unidades políticas em uma só unidade econômica.

CECA - (Comunidade Europeia do Carvão e do Aço):

Tratado que estabeleceu o livre mercado desses produtos entre os países-membros: Alemanha Ocidental, França, Itália e os países do Benelux.

CEI – Comunidade de Estados Independentes

Constituída pelos países originários da ex-União Soviética (com exceção das três nações bálticas), cujos membros totalizam doze Estados-nações:

  • Rússia

  • Armênia

  • Azerbaijão

  • Belarus

  • Casaquistão

  • Geórgia

  • Moldávia,

  • Quirguízia

  • Tajiquistão

  • Turcomenistão

  • Ucrânia

  • Usbequistão

Esses países tentam reconstruir suas economias e criar um mercado comum inspirado no exemplo da Europa, pois interdependência que possuem é muito grande.

COMECON

Procurando integrar economicamente o Leste europeu, foi fundado em 1949 o Comecon - Conselho de Assistência Econômica Mútua - do qual faziam parte União Soviética, Alemanha Oriental, Polônia, Hungria, Tchecoslováquia, Romênia e Bulgária. O Comecon visava a integração econômica de seus países-membros, através da utilização de recursos disponíveis no Leste europeu, e o encaminhamento da direção industrial a ser tomada pelos países-membros quanto ao que deveriam produzir. Nos países socialistas em fase de implantação industrial , a industrialização restringiu-se ao setor de base, caso da siderurgia e de equipamentos (maquinários agrícolas, industriais e de transportes).
O processo de implantação do socialismo sofreu forte resistência nesses países, principalmente no que diz respeito à coletivização das terras, provocando um intenso desgaste político. A Albânia e a Iugoslávia conseguiram implementar mudanças sem a interferência direta da União Soviética, devido à existência de poderosas lideranças internas, surgidas durante a luta de resistência à ocupação nazista de seus territórios. Graças a isso, alcançaram uma posição de relativa independência dentro do bloco socialista, nos anos em que a União Soviética tinha essa área sob sua esfera de influência.

O Comecon visava à cooperação econômica mútua dos países do Leste europeu.

As destruições provocadas pela guerra foram mais intensas na Europa Oriental, o que tornou o processo de reconstrução mais árduo que na Europa Ocidental. ·

Comesa – Mercado Comum dos Países do Leste e Sul da África

Inclui dezoito países:

  • Moçambique
  • Namíbia
  • Ruanda
  • Somália
  • Suazilândia
  • Tanzânia
  • Uganda
  • Zâmbia
  • Zimbábue
  • Angola
  • Burundi
  • Camarões
  • Djibuti
  • Etiópia
  • Quênia
  • Lesoto
  • Malavi
  • Ilhas Maurício

NAFTA

Fundado em agosto de 1992.

O tratato prevê a abolição progressiva das tarifas alfandegárias e a criação de um mercado comum entre os Estados Unidos, o México e o Canadá. As negociações de cada um dos parceiros do NAFTA com outros países do continente pode, na prática, ampliar em futuro próximo a área de abrangência do acordo.

Tendo como vértice a economia norte-americana, o NAFTA integra em um mesmo espaço econômico parceiros muito desiguais econômica, política e demograficamente, cujas relações históricas com os Estados Unidos são igualmente diferenciadas.

O Canadá apresenta economia desenvolvida e diversificada, baixo crescimento vegetativo e padrão de vida elevado. Entretanto a prosperidade canadense oculta seu alto grau de dependência dos capitais e investimentos norte-americanos. O país dispõe de uma população e de um PIB cerca de dez vezes menores que seu vizinho do sul. Isso explica a Iimportância desigual de cada um dos parceiros na economia do outro: as exportações paa os Estados Unidos representam atualmente cerca de 20% do PIB canadense, enquanto as exportações para o Canadá perfazem apenas 3% do PIB norte-americano. Mesmo temendo a concorrência dos manufaturados mexicanos e mantendo poucas relações comerciais com o México, o Canadá busca, através do NAFTA, ampliar sua penetração no poderoso mercado de consumo dos Estados Unidos.

O México, incorporado ao acordo somente em 1994, ao contrário, apresenta profundos desníveis sociais, forte crescimento vegetativo e intensos movimentos migratórios. Não por acaso, o NAFTA prevê livre circulação de mercadorias e capitais, mas não de pessoas. O México oferece ao vizinho poderoso uma farta reserva de mão-de-obra barata e imensas potencialidades naturais.

A imigração ilegal é um problema para os Estados Unidos e um trunfo para os negociadores mexicanos, que, como forma de combatê-la, buscam atrair novos investimentos do vizinho rico para o seu território. A concentração desses investimentos no norte do país – configurada em complexos industriais originados dos capitais norte-americanos e voltados para o mercado de consumo dos Estados Unidos – tem ampliado os profundos contrastes regionais que caracterizam o México.

PIB per capta

México

Canadá

Estados Unidos

3 mil dólares

21 mil dólares

23 mil dólares

Fontes: O Mundo Hoje 1993; L’État du Monde 1994.

Pacto de Visegrád

Outra associação internacional voltada para a integração de seus membros é o Pacto de Visegrád, na Europa oriental, que congrega a Hungria, a Polônia, a República Tcheca e a Eslováquia. São países com problemas em comum – em especial a transição da planificação para a economia de mercado – e que almejam ser aceitos pela União Europeia.


Últimas Notícias

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

IBGE prevê cerca de 1,5 mil vagas em concurso ainda em 2014

Quinta, 14/08/14
O IBGE espera autorização do governo federal para realizar um concurso público, ... mais »
UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

UFPB divulga edital oferecendo 16 vagas para docentes em João Pessoa

Quinta, 14/08/14
Os candidatos que desejarem realizar sua inscrição devem procurar a secretaria d... mais »
Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Ministério do Planejamento autoriza concurso com mais de 100 vagas para o INPI

Quinta, 14/08/14
As 140 vagas à serem preenchidas são para os cargos de Pesquisador em Propriedad... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora