“O preconceito é um vírus inteligente, caso não tome cuidado, o hospedeiro se torna transgressor, deixando marcas profunda...Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.
Título do artigo:

O Olhar que Salva, Mata ou Engorda

95

por:

“O preconceito é um vírus inteligente, caso não tome cuidado, o hospedeiro se torna transgressor, deixando marcas profundas. Ou você trabalha o preconceito ou sucumbe a ele”
(MILTON GONÇALVES – Ator).

Os ditos populares, por vezes, precisam de lógica, são forjados com base na análise empírica, selvagem, sem nenhum cuidado de comprovação. Tentam generalizar o que é, por natureza, específico. Ou seja, “o senso comum é superficial porque desdenha das estruturas que estão para além da consciência, mas, por isso mesmo, é exímio em captar a profundidade horizontal das relações conscientes entre pessoas e entre pessoas e coisas”(SANTOS, 1989, p.40). Portanto, há representações sociais que, de fato, contemplam fenômenos que são perfeitamente identificáveis no cotidiano. Por exemplo, tem um adágio bastante conhecido que profetiza: “O olho do dono engorda o gado”. Isto é, se o responsável não estiver na frente, deixar seu empreendimento somente nas mãos de outrem, não cresce. Mas parece que tudo na vida é assim, o proprietário tem de assumir seu negócio, se envolver, está muito presente - não necessariamente bem visível -, do contrário estará fadado ao fracasso.

Le Breton (2006, p.7) diz que “antes de qualquer coisa, a existência é corporal”. Assim sendo, um olhar pode ser traduzido como cuidado que leva à prosperidade, à saúde, etc. O bebê se desenvolve sob olhar contemplativo e amoroso da sua genitora embevecida pela dádiva da maternidade. E esse olhar o faz saudável, rechonchudo e rosado, que ela o exibe como atestado da sua eficácia no papel de mãe. Bem diferente de um bebê raquítico, pálido, com aspecto de convalescente que coloca, a priori, sob suspeita a competência em relação aos cuidados maternais. Tal é força do olhar, que o popular também acredita que o mau olhado, ou seja, aquele facho de luz direcionado de inveja, etc., faz murchar, etc. E pode também, em virtude da sensibilidade da criancinha, fazê-la adoecer. Desconheço dado científico que comprove este fato. No entanto, tudo leva a crer que isso não ocorre apenas com bebês, mas que haja alguma influência desse tipo voltada para tudo àquilo que se constitui em objeto de cobiça. A ciência, em razão do limite do seu alcance, mesmo que tentasse talvez não conseguisse explicar as nuanças dessa complexidade.

Porém, em relação ao tecido adiposo, o não olhar estabelece outro tipo de dinâmica. Ou seja, quando não é visto ou negligenciado, ele infla ainda mais. Então o gordo seria, em tese, aquele indivíduo que deixou de ser conectado ou contemplado por um olhar. Em um determinado momento da sua história deixou de ser um objeto bem olhado. Nessa perspectiva, Sombra (2006, p.160) afirma que “´ver` é mais do que mero processo neurológico de estímulos e efeitos; ver é ver-se a si mesmo; é diferenciação do visível e do invisível”. Mais do que ver, se olhar em todas as fases evolutivas é percebe-se com base nesse registro visual do outro. Enfim, o ser humano e, de modo geral, os mamíferos são dependentes desse olhar do outro que legitima sua existência, e dá sentido à sua vida.

O não olhar torna o cidadão invisível, e para aliviar essa angústia do “não existir” ele busca qualquer meio para se fazer visível, aparecer, se sentir vivo. Ou descamba para o vício, numa tentativa de se punir, de se matar aos poucos em virtude da  sua inanição óptica. Por isso, volta toda energia da frustração, da dor, da raiva dessa falta para si. O olhar é vital para o bem estar físico e psicológico, de modo que a sua ausência arremessa o indivíduo ao desespero. No caso do gordo ele encontra algum conforto e prazer nas refeições. Esse ritual de empanturrar-se é um simbolismo antropofágico que, raivosamente, tritura todos os olhares que lhe faltam ou que lhe foram negados. Como resultado do alívio e da vingança desencadeia, facilmente, a obesidade mórbida (embora nem todas tenham essa etiologia). Em suma, “comer desregradamente é algo que tem um poder magnético, na medida em que parece prometer a presença da Mãe Amorosa”(WOODMAN, 2002, p.51 - grifo da autora). Assim, pode-se dizer que esse desequilíbrio se instala nos primórdios da relação com uma mãe sem potencial afetivo, ou habilidade para nutrir seu bebê dos alimentos orgânicos e emocionais.

Então, o indivíduo não parece ter saída, se não tiver esse olhar de modo incondicional, ele provoca para tê-lo de modo crítico, etc., sobre sua pessoa por causa da gordura ou obesidade. Mas nesse aparente incômodo ou constrangimento tem um gozo perverso despertado pela obrigação do entorno o fazer objeto desse olhar. Dois pacientes, irmãos, jovens obesos mórbidos não perdoavam a mãe pela separação do pai. Eles precisam do olhar desse homem como referência para a construção da sua identidade masculina. Essa mãe, uma mulher infeliz, era bastante racional e afetivamente seca, porém ao mesmo tempo permissiva. Todavia, não conseguia se fazer respeitar por esses filhos. Ambos sempre a tratavam de modo depreciativo, viviam num eterno embate. A maioria das pessoas não consegue viver sem esse olhar, seja no sentido positivo e construtivo de amor, generosidade, admiração, etc.; ou, perverso da crueldade, da revolta, etc. Deixa implícito que, se não foi olhado por bem, terá que ser pela pressão da sua obesidade, do seu ato anti-social, do seu crime, mas que vão ter, queiram quer não, de olhá-lo.
O olhar espontâneo de aceitação ou perverso da imposição tem que existir, do contrário o sujeito pira, enlouquece. Assim, ele não mais precisa do olhar do outro, de ninguém, que passa a ser indiferente. Agora, somente o próprio olhar confuso, nebuloso, fragmentado lhe interessa. Atemporal, investirá toda energia que dispõe na fixação contemplativa da sua imagem no espelho narcísico da alienação: “Eu não preciso do olhar de vocês, do social”. Uma outra forma, ainda mais radical, de não suportar essa falta do olhar, é o suicídio: “Se você/s não me olha/m eu me mato, ou o/s mato dentro de mim”. Nesse imaginário que precipita um gesto final, certamente, o entorno não o tenha olhado na sua singularidade. Todavia, “com sua morte o suicida não nos diz somente que já não se suportava mais. Também fala de nós. Demonstra, [...] que não podia continuar nos tolerando”(KALINA & KOVADLOFF, 1983, p.24). As sociedades têm simbolismos de pertença que diz muito do real. Não é à toa que a maioria das suas instituições se constitui de sociedades anônimas. Apenas algumas personalidades recebem a “chave” da cidade, e os demais, “excluídos”, nesse espaço do não-lugar não criam identidades singulares nem relações, mas solidão e similitude (AUGÉ, 1994).

Uma vez que, a destruição na credibilidade do outro (BAUMAN, 2008) foi consumada, não é por acaso que muitos suicídios se dão, praticamente, em público, diante do olhar apelativo do “Não faça isto”. Contudo, o suicida se nega a esse socorro tardio, no seu espetáculo de horror retém a cena, e pula para uma morte meio que anunciada. Por conseguinte, todos serão testemunhas dessa tragédia pessoal, silenciosa (no sentido de que é solitário), sem que os olhares atuais sejam capazes de resgatar algum filete de esperança numa última oportunidade de reconstrução. É possível dizer que o suicida faz para dentro, ou seja, aponta e descarrega sua ira destrutiva sobre sua pessoa. Ao passo que, o homicida lança para fora sua violência sobre todos que tenham ou não a ver com os seus infortúnios. O irresponsável no transito, na sua covardia para morrer ou matar, catalisa características dos dois tipos.

Segundo Lipovetsky (2005), Don Juan está morto, e no seu lugar elevou-se uma nova figura muito mais inquietante: Narciso, subjugado por ele mesmo em sua cápsula de vidro. Ainda para o autor, uma sexdução, produziu-se um sujeito não mais pela disciplina, mas pela personalização do corpo sob a égide do sexo. Este corpo é o sujeito, e deve ser cuidado, amado, exibido. Hoje, se vive a Era do Narcisismo, da indiferença ao outro, do culto ao corpo na sua forma mais exacerbada. A mitologia diz que, de tão apaixonado pela própria imagem refletida na água, Narciso se joga na mesma e morre afogado. Nessa ótica, Roudinesco (2006, p.51) compreende que esse “é o mito de uma humanidade sem interdito e fascinada pelo poder ilimitado do seu eu”.

Voltando ao obeso, a ausência do olhar do outro o abandona. Afinal, a obesidade mórbida é a condição em relação a qual qualquer tentativa de esforço “para queimar” gordura já não mais oferece êxito. Como um objeto depositado no fundo de um armário em que as mãos não conseguem alcançá-lo, ela ficou distante de ser “tocada”. Para Le Breton (2006, p.70), “o corpo metaforiza o social e o social metaforiza o corpo. No interior do corpo são as possibilidades sociais e culturais que se desenvolvem”. O obeso agora carrega como excesso de peso os olhares dos outros que deveras necessitava e que foram absorvidos junto com a comida. Havia dois anos que um paciente cirurgiado, enviado por outra clínica, se sentia inseguro e sem disposição. No caso, menos física e mais psicológica, para retornar ao trabalho, mas que ele julgava, até então, de que fosse o oposto. Chegou à compreensão que não tinha mais como utilizar a mastigação para atenuar as tensões inerentes à sua atividade profissional. Esse indivíduo, na verdade, não tinha despertado para o fato de que, agora, precisava criar mecanismos para filtrar o estresse porque não mais dispunha do corpanzil como amortecedor ou saco de pancada.

Para Le Breton (2006, p.10), “o corpo, lugar do contato privilegiado com o mundo, está sob a luz dos holofotes”. Seja quando ele corresponde à ordem estabelecida pela mídia de que todos “...sejam belos, sensuais, sadios, desejáveis”(KEHL, 2003, p.243), ou, quando não atende às suas prerrogativas, e é estrangeirado. Para rejeitar também é preciso olhar, e este, por conta do preconceito, se dá de modo instantâneo, quase visceral. Por conseguinte, torna estranho ou ignora a presença do outro ao reduzi-lo à aparência do seu corpo. Assim sendo, “a anatomia é seu destino. O corpo não é mais moldado pela história pessoal do ator numa dada sociedade, mas ao contrário, aos olhos do racista, são as condições de existências do homem que são os produtos inalteráveis de seu corpo” (Le BRETON, 2006, pp.72-73). Enfim, o obeso não é mais visto como uma pessoa, mas como um gordo, e passa a pertencer à categoria dos “deficientes” ou estigmatizados.

Na realidade, as sociedades ocidentais são cruéis com o diferente, e estigmatizam àqueles que não se enquadram nos determinismos dos seus padrões. Tomando-se por base o rótulo fica mais fácil de excluir o divergente. Assim, o sujeito discriminado é remetido para mais uma outra categoria, a do anti-sujeito. Sobre ele recai toda carga odiosa e costumeira a quem faz parte das minorias - estas não em termos quantitativos. Um estigma, quer dizer, um motivo sutil de avaliação negativa da pessoa. Como se em sua essência ela fosse um ser “deficiente” ao invés de “ter” uma deficiência (Le BRETON, 2006 - grifos do autor), ou que é apenas possuidora de característica que está ausente, camuflada ou latente na maioria. Logo, o sentimento coorporativo coloca em ação a ideologia de que para os amigos, iguais e associados deve se dedicar tudo, ou seja, do bom e do melhor; e para os inimigos e desconhecidos, a indiferença, a dureza, a guilhotina ou o nada. Isso é corroborado por Rorty (2007, p.293), quando ele afirma que “o simples fato de sermos humanos não faz com que tenhamos um laço comum”. Com base em Freud que se refere a uma “origem narcísica da compaixão”, o autor salienta que “fazemos esforços intermináveis para ajudar um amigo e somos inteiramente alheios ao sofrimento maior de outro” (p.71).

Segundo Touraine (2007a), as vítimas da crueldade não são rejeitadas pela sociedade, ela é desencadeada para desumanizar o ser humano, para esmagar seu rosto e reduzi-lo a uma massa que não tem mais nada de um ser humano. Diria que esse processo se dá em duas etapas, a primeira que discrimina para enfraquecer; e a outra que descaracteriza para destruir, fazendo o sentir-se Nada. A discriminação coloca às margens com “cores” que somente no seu aparente diferencia do dominante. Mas é o suficiente para colocar o indivíduo nesse “não-lugar”. Assim, as sociedades legitimam seu uso como bode expiatório, válvula de escape, para aliviar as inquietações das mazelas que produzem e não conseguem resolvê-las. Para Chauí (2006), uma sociedade tirânica serve ao tirano que, em seu lugar social tiraniza os que, oportunamente, julga seus inferiores.

Uma paciente ficava sozinha quando seu marido, por força do trabalho tinha que dormir alguns dias da semana fora de casa. Porém, ela sabia que na maioria das vezes isso era usado como desculpa para as suas escapadas, para ele, como se diz comumente raparigueiro, cair na gandaia. O macho brasileiro, na verdade abusivo e inseguro, adora passar a imagem de garanhão, como se uma única mulher não fosse suficientemente capaz de abrandar seu potencial libidinoso. Ele vive de ego inflado nesse suposto grandioso poder sexual que é, sem querer, reforçado pelo ciúme da parceria traída ou emocionalmente violentada. Mas, homens viris, sexualmente poderosos e dominantes, as mulheres sabem tão bem quanto os próprios homens que tais criaturas existem mais na imaginação, porque na realidade eles são bem menos “machos” do que costumam afirmar (TOURAINE, 2007b).

Assim, frustrada essa senhora não encontrava outra saída que fosse comer para se livrar da angústia, pela espera do marido. Quando ele voltava para casa, já empanturrada ela encenava - digo encenar porque não o impedia de manter esse comportamento - uma briguinha. Chateado, mas “abastecido” lá fora, ele ia dormir, e no seguinte ou alguns dias depois e que tinham sexo. Tal rotina a fez engordar cada vez mais. Ou seja, essa mulher estava sendo negligenciada, mal amada, e por conta disso se abandonou. Para Merleau-Ponty (1999), o espelho é extensão da relação do sujeito com o espírito. Portanto, “nele, a carne é o vidente vendo-se e se reconhecendo como visão-visível” (MERLEAU-PONTY apud SOMBRA, 2006, p.160). No que é apoiado por Nasio (1995), quando ele afirmar que o eu é feito de imagens, e que é preciso imaginar esse espelho e o eu, não de modo separado, mas como um contínuo entre os dois. Ainda para o autor, é necessário que a visão seja espacialmente excluída, para permitir que surja um olhar inconsciente.

No caso dessa paciente, os espelhos da sua casa “cegaram”, sua defesa psicológica ativada não mais refletia à realidade. Embora pudesse, de fato, se reconhecer, não introjetava a imagem de que estava obesa. Para a psicanálise “o eu é um ser sexual” (NASIO, 1995, p.23). Em razão disso, não seria precipitado dizer que essa paciente ao “negar” olhar-se, estava evitando contatar o “eu sexual”, uma vez que, o obeso não se enquadra no perfil de objeto sexual comumente desejável. Em outras palavras, ela não excluía nada para se ver toda e não se olhar, para não ter a percepção internalizada do imenso volume do seu corpo. Em vista disso, fora do foco do olhar do desejo do outro, certamente obstruía o visível em si, para suportar que não era exclusiva no universo afetivo e sexual do marido.

Em virtude disso, essa paciente também perdeu a noção espacial, não se deu conta de que não mais cabia nas suas roupas. Precisou chegar ao ponto do “companheiro” se espantar com a sua obesidade e sugerir que fizesse a cirurgia bariátrica. Nesse contexto, fica mais complicado de ter sucesso porque não se tratava do seu desejo, mas de um despertar que veio de fora mediante o incomodo do outro. A cirurgia trata de jogar fora o excesso de gordura, mas de algum modo, coloca o sujeito para pensar uma nova dinâmica com o seu eu. Essa paciente, por meio das intervenções na psicoterapia, elaborou a seguinte analogia: “Sou como um móvel não utilizado, e que foi deixado na dependência da empregada, mas agora estou me limpando, cuidando para me colocar num canto visível da sala. Ninguém mais vai fazer o que quer comigo. Ele vai ver - se referia ao marido”. Ainda tinha um significante que precisava ser explorado, um móvel é imóvel ou parado. Mas coerente com a sua postura cuja decisão da cirurgia não veio da sua necessidade. Portanto, ela precisava de um esforço maior para sua mobilização interior. De alguma maneira, já era um começo, uma vez que antes, além de estagnada ela não se enxergava.

A ditadura da beleza, nesse mundo pós ou hiper-moderno, não permite à feiúra ou algum desvio do padrão estético. Nessa perspectiva está o culto ao corpo, e o sujeito procura elevar a auto-estima de fora para dentro, por vezes encantado feito Narciso, com a própria imagem. Logo, se estabelece uma relação: mais academia, mais olhares e menos “solidão”. Uma vez que, na medida em que vai delineando o corpo, adquire cada vez mais espaço no seu lugar de objeto do desejo. O imperativo da estética dita que o corpo bonito é para ser mostrado. Mas, por que essa obrigatoriedade? Assim, o feio ou antiestético teria que ficar escondido? Mas, não parece ser preciso nenhuma condição especial para expor o belo, mérito teria quem, fora do padrão, ousa se fazer visível e anarquiza o padrão vigente. Assim, bumbum arrebitado, barriga “tanque”, etc., devem ser sempre ressaltados. Parece que seus possuidores estão “clamando” para todos olhem para as belas mercadorias em que se transformaram e, assim, deixam implícito se isso não os estimula a consumi-las.

Em casos extremos, isso incrementa a vontade de se aperfeiçoar, até o ponto de correr risco de vida, não afogado como o personagem mitológico, mas de overdose de anabolizantes1. As sociedades atuais sugerem uma aversão pelas coisas que são naturais, as pessoas são instigadas a ser artificialmente belas e iguais, “...sem dúvida o nosso tempo ...prefere a imagem à coisa, a cópia ao original, a representação à realidade, a aparência ao ser...”(FEUERBACH apud DEBORD, 1997, p.13). Assim, o investimento financeiro em clínicas e a imolação em academia não deixam tempo para cuidar do interior, ou qualquer outro quesito que não diga respeito à fachada. Então, os corpos belos, em geral, também são os mais vazios, de maneira que não seria um desproposito perguntar se tem alguém ali dentro.

Tudo isso parece confirmar que o prazer não estar na pessoa, mas no gozo da sua silhueta. E os corpos que atendem a essa linha de consumo são exibidos como objetos preciosos. Tem mulheres e homens que são apenas os próprios corpos, e fazem disto um cartão postal, ou um negócio licito (modelo, etc.), ou meio clandestino da prostituição não assumida. A cultura do físico se generalizou em tal proporção que, até “...os jovens pobres de hoje ostentam corpos altivos, belos, erotizados”(KEHL, 2003, p.246). O corpo constituído como fetiche, isto é, “adoração de um objeto feito pelo homem ou pela natureza”(DUARTE, 2004, p.1). O corpo esbelto se tornou um fetiche, objeto de culto e adoração, é também uma tela por meio da qual, em forma de tatuagens, passam mensagens. Por vezes com alguma beleza, mas quase sempre vazias, mais com o intuito de se exibir, de ser visto, de pertencer a uma tribo mesmo que virtual ou imaginária.

Na realidade, “o indivíduo pós-moderno não é uma pessoas consciente, livre e autônoma. Sua existência é anônima” (DUARTE, 2004, p.228 – grifo do autor). Assim sendo, é sobre o corpo, em particular o jovem, que se debruça o olhar fetichista, o corpo como um canal mais fácil e mais barato de se fazer objeto do olhar do outro, às vezes até de modo desesperado. Há corpo que, de tão artificial e disforme, transpira toda angustia do seu portador. Como diz Bauman (2008, p.29) “as imagens são muito mais ´reais` do que palavras impressas ou faladas”, mas, quase sempre, nesse caso, a maioria das vezes não diz nada mais além do trazem explicito: Corpo, apenas um corpo.

Finalmente, nas sociedades de indivíduos indiferentes que não saem dos seus embaraços para olhar e interferir no exterior, que são incapazes de amor, de solidariedade, de paixão (LINS, 2006). São esses mesmos sujeitos que solicitam o olhar do outro. Muitos, com o seu vazio, aprisionado em músculos gritantes por olhares, a fim de marcar sua presença na retina dos outros, e, assim, confirmarem sua existência. Nessa aflição egoísta esquecem de algo bem simples que é a troca. Se todos se olhassem não precisariam, desesperadamente, do olhar do outro. Certamente, também não excluiriam com sua crueldade os que foram vítimas da negligência ou da falta desse olhar. Estes que, diante da frustração de não seduzir um olhar, agridem, se agridem ou engordam, e quando esvazia a esperança, enlouquecem ou se matam. As sociedades estão cada vez mais míopes. Quando custa um olhar?.

NOTA:

1. Para Lobo et al. (2003, p.26), “substitutos sintéticos do hormônio masculino testosterona, os anabolizantes, como popularmente são conhecidos, levam ao crescimento do sistema músculo-esqulético (efeito anabólico) e ao desenvolvimento das características sexuais masculinas (efeito androgênico); daí também o nome de esteróides anabolizantes androgênicos (EAA)”.  Ainda segundo os autores, os efeitos adversos decorrentes do uso indevido dos anabolizantes podem levar a problemas de saúde, sendo alguns fatais.

Livro do Autor Valdeci Golançalves

REFERENCIAL

AUGÉ, M. (1994). Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. 6 ed. Trad. M. L. Pereira. Campinas-SP: Papirus.
BAUMAN, Z. (2008). Medo líquido. Trad. C. A. Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar.
CHAUI, M. (2006). Simulacro e poder. São Paulo: Ed. Perseu Abramo.
DEBORD, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Trad. E. S. Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto.
DUARTE, N. (Org.). (2004). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas-SP: Autores Associados.
KALINA, E. & KOVADLOFF, S. (1983). As Cerimônias da destruição. Trad. S. Alberti. Rio de Janeiro: F. Alves.
KEHL, M. R. (2003). As máquinas falantes. In: NOVAES, A. (Org.). O homem-máquina. São Paulo: Companhia das Letras.
LINS, R. L. (2006). A indiferença pós-moderna. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
LIPOVETSKY, G. (2005). A era do vazio: ensaio sobre o indivíduo contemporâneo. Trad. T. M. Deustsch. Barueri-SP: Manole.
Le BRETON, D. (2006). A sociologia do corpo. Trad. S. M. S. Fuhrmann. Petrópolis-RJ: Vozes.
LOBO, A. P. Timm. et al. (2003). O uso de anabolizantes na cidade de São Paulo: um estudo qualitativo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria / Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro. v. 52. jan/fev. Rio de Janeiro: ECN-Ed.
MERLEAU-PONTY, M. (1999). O visível e o invisível. Trad. J. A. Gianotti e A. M. Oliveira. São Paulo: Perspectiva.
NASIO, J.-D. (1995). O Olhar em Psicanálise. Trad. V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar.
RORTY, R. (2007). Contingência, ironia e solidariedade. Trad. V. Ribeiro. São Paulo: M. Fontes.
ROUDINESCO, E. (2006). A análise e o arquivo. Trad. A. Telles. Rio de Janeiro: Zahar.
SANTOS, B. S. (2003). Introdução a uma ciência pós-moderna. 4 ed. Rio de Janeiro: Graal.
SOMBRA, J. C. (2006). A subjetividade corpórea: a naturalização da subjetividade na filosofia de Merleau-Ponty. São Paulo: Ed. UNESP.
TOURAINE, A. (2007a). Um novo paradigma: Para compreender o mundo de hoje. 3 ed. Trad. G. A. Titton. Petrópolis-RJ: Vozes.
TOURAINE, A. (2007b). O mundo das mulheres. Trad. F. Morás. Petrópolis-RJ: Vozes.
WOODMAN, M. (2002). O vício da perfeição: compreendendo a relação entre distúrbio alimentares e desenvolvimento psíquico. Trad. M. S. M. Netto. São Paulo: Summus.