[Antônio de Alcântara Machado] Narrado em 3ª pessoa, tem-se o retrato do sonho de Gaetaninho, de realização muito difícil. O simplório sonho do menino era andar de automóvel Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Para Gostar de Ler Volume 10: (Gaetaninho)

por:

[Antônio de Alcântara Machado]

Narrado em 3ª pessoa, tem-se o retrato do sonho de Gaetaninho, de realização muito difícil. O simplório sonho do menino era andar de automóvel ou carro. Sonho de menino pobre; mas isso, ali na rua Oriente a raléquando muito andava de bonde. Gaetaninho sonha, com a roupa marinheira, acompanha, na frente quatrocavalos pretos empenachados levavam a tiaFilomena para o cemitério. Depois outros serão levados.

Gaetaninho, na boléia do carro. No sonho, muita gente nas calçadas, nas portas e nas janelas vendo o enterro,sobretudo admirando Gaetaninho, que queria ir carregando o chicote. Mas o desgraçado do cocheironão queria deixar. Quando Gaetaninho pensa em reagir é acordado com os gritos da tia Filomena. Isso o deixa desapontado, quase chorou de ódio. A tia Filomena teveum ataque de nervos quando soube do sonho deGaetaninho. Este sentiu remorsos. Os irmãos quando souberam do sonho, revolveram jogar no elefante. Deuvaca. E eles ficaram loucos de raiva.

Na rua, meninos brincavam com bolinha de meia. Depois do chute do Beppino, a bola cobriu o guardiãosardento e foi parar no meio da rua. Gaetaninho corre, mas antes de alcançar a bola um bonde o pegou.Pegou e matou. A notícia da morte de Gaetaninho se espalhou:

- Sabe o Gaetaninho?
- Que é que tem?
- Amassou o bonde!

No dia seguinte, às dezesseis horas, saiu o enterro. E Gaetaninho ia na boléia do carro da frente, dentro deum caixão fechado com flores pobres por cima.

Antônio de Alcântara Machado (1901-1935)
Nasceu em São Paulo. Foi advogado, jornalista e político. Em 1926, colaborou na Revista do Brasil e, em 1928, dirigiu a Revista de antropofagia (1ª fase). Participou da criação do periódico modernista Terra Roxa e Outras Terras (1926) e da Revista Nova (1931). Colaborou ainda em diversos jornais paulistas e cariocas.