Atualmente, muito se fala sobre esse estágio do Capitalismo que é a Globalização, se ele traz benefícios ou malefícios à maioria da população mundial. Para começarmos aPressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Lado Obscuro da Globalização, O

por:

Atualmente, muito se fala sobre esse estágio do Capitalismo que é a Globalização, se ele traz benefícios ou malefícios à maioria da população mundial.

Para começarmos a tirar essa dúvida, vamos colocar em análise o recente acontecimento da proibição da importação de carne bovina brasileira, por parte dos países componentes do Nafta (acordo econômico que envolve Canadá, Estados Unidos e México).

O Brasil apesar de ser apenas o 74º colocado junto ao rank da ONU em termos de desenvolvimento pela grande desigualdade social existente, é o 4º maior produtor de aeronaves, posição que incomoda os demais países produtores desse tipo de produto, principalmente o país mais desenvolvido do mundo que é justamente o Canadá. Sua empresa Bombardier, produz aeronaves que concorrem com as nossas produzidas pela Embraer. De ambos os lados há denúncias de subsídios governamentais que baixam os preços e consequentemente a concorrência desleal quando das concorrências internacionais para venda das mesmas.

É de se estranhar que com o embate travado por ambos países (Canadá e Brasil), o Canadá tenha liderado o Nafta e bloqueado as importações de carne baseado apenas em suspeitas de que poderia haver contaminação do gado com a doença da vaca louca, sem que um único caso tivesse sido registrado em nosso país.

Todo esse quadro é preocupante e mostra que a Globalização está nas mãos das nações desenvolvidas (principalmente as do G-7) e pode ser manipulada contra os interesses das nações subdesenvolvidas que são a grande maioria (a exemplo do Brasil).

Como se não bastasse, há também denúncias de empresas "globalizadas" que instalam suas indústrias nos países com piores condições de salários, trabalhistas, sindicais, trabalho infantil, onde os terrenos são mais baratos, governos oferecem subsídios que muitas vezes prejudicam o desenvolvimento regional, tudo isso para se beneficiarem desse quadro. Sem contar que na maioria das vezes, os empregos diretos gerados pela presença dessas empresas é insignificante e que grande parte do capital gerado nas atividades dessas empresa é recambiado para a nação onde localiza-se a holding do grupo.

Precisamos ficar atentos ao desenrolar dos acontecimentos.