Político mineiro (30/11/1847-14/6/1909). Presidente da República de novembro de 1906 a junho de 1909. Afonso Augusto Moreira Pena nasce em Santa Bárbara, filho de um imigrante português que vem procurar ouro em Minas, no in&iacuPressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Afonso Pena

por:

Político mineiro (30/11/1847-14/6/1909). Presidente da República de novembro de 1906 a junho de 1909. Afonso Augusto Moreira Pena nasce em Santa Bárbara, filho de um imigrante português que vem procurar ouro em Minas, no início do século XIX.

Estuda direito em São Paulo e entra na política em 1874, como deputado provincial. É eleito, em seguida, deputado por quatro legislaturas sucessivas, de 1878 a 1889. Além de legislador, também atua no Executivo, durante o Império, como chefe dos ministérios da Guerra (1882), da Agricultura (1883) e da Justiça (1885).

Afonso PenaCom a proclamação da República, é eleito deputado constituinte, em 1890, presidente da província de Minas Gerais, em 1892, e presidente da República, em 1906. Chega a esse cargo apoiado pela aliança política do café-com-leite, formada por paulistas e mineiros, representantes da poderosa economia cafeeira praticada, na época, nos dois estados. Toma medidas para a valorização do café na economia nacional tão logo assume a Presidência.

Em 1907 amplia a rede de comunicações do país ao ligar a Amazônia ao Rio de Janeiro por meio do telégrafo. Em 1908 perde parte do apoio político por confiar a jovens lideranças a sua assessoria política. Além da perda de prestígio, sofre outra, com a morte do segundo de seus nove filhos com Maria Guilhermina de Oliveira Pena, com quem é casado desde 1875. Os dois episódios abalam sua saúde. Morre de pneumonia no ano seguinte, no Rio de Janeiro, sem terminar o mandato.