Escritor carioca (11/12/1893-14/8/1983). Conhecido pelo pseudônimo de Tristão de Athayde, na década de 30 firma-se como o mais influente pensador católico brasileiro. Como crítico literário, é um dos divulgaPressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Alceu Amoroso Lima

por:

Escritor carioca (11/12/1893-14/8/1983). Conhecido pelo pseudônimo de Tristão de Athayde, na década de 30 firma-se como o mais influente pensador católico brasileiro. Como crítico literário, é um dos divulgadores do modernismo.

Alceu Amoroso Lima Tem obras em diversas áreas, como pedagogia, teologia, história, filosofia e sociologia. Converte-se ao catolicismo em 1928 e torna-se presidente do Centro Dom Vital, organização de prestígio nos meios religiosos e culturais. Democrata-cristão, preside, de 1935 a 1945, a Ação Católica Brasileira, grupo com militância política. Participa do integralismo.

A partir dos anos 50, reformula sua posição e passa a liderar setores progressistas da Igreja. Em 1957 ajuda a fundar o Movimento Democrata-Cristão na América Latina, em Montevidéu, Uruguai. Na imprensa, além de fazer crítica literária e cultural, defende os ideais liberais e a democracia representativa. Escreve, entre outros, Contra-Revolução Espiritual (1932), Mitos de Nosso Tempo (1943) e Revolução, Reação ou Reforma (1964). Durante a ditadura militar, destaca-se como defensor dos direitos humanos.