arthritis, pneumonia). The treatment of progressive paralysis is a specific treatment with antibiotics (8 courses), to carry out, in cooperation with biyohinolom. In the past, vivax transplant methods use large increase in body temperature that promotes death of Treponema pallidum (syphilis pathogen). Currently, this is done using sulfozinum, pirogenal. The results of treatment vary depending on the stage of the disease (before the patient\'s prognosis is better), and the appropriateness of the treatment.The use of breathing exercises - one albuterol iymed inhaler buy of the main methods for general rehabilitation. All the breathing exercises are divided into dynamic and static. Dynamic breathing exercises in combination with the movements of the hands, shoulders, trunk, static (float) should be performed using the diaphragm and intercostal myshts.Delo compounded by the fact that most of the "theories" and treatment systems include elements of truth is: it is not true that this or any other authority, any function of the body or blood pH is extremely important?
Há uma tentativa natural de alguns colegas brasileiros de mudar o nome para algo mais nacional. Os candidatos à tradução ...Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.
Título do artigo:

O que é splicing?

94

por:

Há uma tentativa natural de alguns colegas brasileiros de mudar o nome para algo mais nacional. Os candidatos à tradução são "editoração" e "processamento". No entanto, "splicing" tem revivido a história de alguns outros termos como "feedback" e "crossing-over", por exemplo.

O processo foi anunciado cientificamente em 1977. Tanto tempo sem conhecê-lo deve-se ao excesso de trabalhos, no início da biologia molecular, com os procariotos. Pouca coisa era investigada em eucariotos. Acontece, que o "splicing" só ocorre em células eucarióticas.

O "splicing" consiste na remoção de fragmentos de um RNA recém-sintetizado (chamado pré-RNA). Isso ainda se passa no núcleo (embora já haja indícios que possa se dar no citoplasma de neurônios). Esses pedaços removidos são chamados de íntrons. Os pedaços que persistem no RNA maduro são chamados de éxons. A remoção exige um complexo formado por 5 espécies de RNA e mais 50 proteínas. É chamado de spliceossomo, a máquina de excisão. Essa monstruosa parafernália reconhece início e fim dos íntrons, depois os unem, formando uma alça que então é cortada. Um íntron pode ter de 10 a até 100 mil nucleotídeos! O início e o fim do íntron ainda é um mistério. Mesmo com auxílio de computadores, as sequências de reconhecimento pelo complexo ribonucleoprotéico (o spliceossomo) ainda é mal compreendido.

Ilustração

Cerca de 60% dos genes eucarióticos parecem sofrer "splicing". Não é uma unanimidade, como se vê. No início, o mecanismo foi visto como algo desnecessário. Hoje, olhamos para ele como uma grande justificativa para o alto potencial que os genomas eucarióticos apresentam. Como o nosso, por exemplo. Mas qual é essa vantagem?

O Projeto Genoma Humano identificou aproximadamente 24 mil genes. Cada um deles tem potencial para a produção de um RNA, seja mensageiro (a imensa maioria), transportador ou ribossômico. Acontece o nosso proteonoma (o acervo protéico) apresenta mais de 100 mil proteínas! Como se o número de informações (os genes) é bem menor? A resposta parece estar no "splicing". Observe o esquema abaixo.

Ilustração

Percebeu que o mesmo gene foi transcrito da mesma forma mas resultou em duas moléculas de RNA maduros diferentes? Cada uma delas resultará em dois polipeptídios distintos que poderão ter funções distintas em momentos diferentes, ou em células diferentes. Chama-se de "splicing" alternativo e parece ser o segredo do sucesso evolutivo do mecanismo. Senão seria um desperdício metabólico inexplicável. Bom, mas poderia ser essa a explicação. Às vezes ciência é um pouco confusa mesmo...

Originalmente publicado no blog http://lasneaux.blogspot.com