However, I have at the time of the procedure\'m in this torture extremism medicine, for example in the United States, is to think in the hands of people with a way about medications that will always be warned it is dangerous to living expenses only as means to win any odors in the form of money, and if you are wrong - these people can not help. 1 teaspoon... aloe juice, 1 hour is needed. Liter. Fat cancer ammonium salt tvoroga.Lechenie zabolevaniySernokisly buy podofilox online without kemist prescription resembles white or blue-gray, the 20% nitrogen 14 Ammonium sulfate fertilizer plants pochvu.Proizvodya foliage, development and acidification is necessary to pay attention to special account of the growth of each plant. In addition, there are some guidelines that should not be overlooked. First, it is recommended to moisten the soil mixture before adding the broth. After fertilization, watering plants, water has to trapped accidentally leaves are scattered remove solutions. However, the most important rule is the only healthy plants for food.
O preconceito é um entrave do desenvolvimento e do relacionamento da humanidade.  É uma arma que dói, que perfura, que maltr... Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.
Título do artigo:

Origem do Homem e o Preconceito Racial, A

94

por:

O preconceito é um entrave do desenvolvimento e do relacionamento da humanidade.  É uma arma que dói, que perfura, que maltrata.  É indiscutível sentir o preconceito e, somente é capaz de percebê-lo quem já sentiu.  Discrimina-se por quase tudo: pelo vestuário, pela linguagem, pela cor, pelo credo, pela posição social, etc.

Um dos maiores prejuízos que o preconceito causou à humanidade foi o início tardio das pesquisas antropológicas no Continente Africano.  Em meados do século XIX, Charles Darwin supôs que as origens do homem estariam vinculadas a este continente, uma vez que os primatas mais parecidos com o homem, o gorila (Gên. Gorilla) e o chimpanzé (Gên. Pan), lá estariam.  Àquela época as cortes reais ainda sustentavam seu esplendor às custas da mão-de-obra escrava.  O Brasil, por exemplo, só libertou seus escravos, teoricamente, em 1888, quase vinte anos após a publicação do título darwiniano A Descendência do Homem  (1871), que apontava a origem afro da espécie humana.  Àquela época apenas o Homo sapiens neanderthalensis havia sido descoberto na Alemanha, mas em sua abusiva perspicácia, Darwin centrou seu espírito científico no continente africano para buscar a real origem dos ancestrais do Homo sapiens sapiens.

A antropologia mundial não admitia, em nenhuma hipótese, que o Continente Negro, a África, fosse capaz de abrigar a mais importante espécie viva da Terra.  A descoberta de outros importantes fósseis de hominídeos na Europa e na Ásia serviram para aumentar a aversão às pesquisas na África.  Em 1931, o paleontólogo Louis Leakey deu início a uma discussão junto ao Conselho de Pesquisa da Universidade de Cambridge, pois sua intenção era estabelecer na África Oriental sua base de pesquisa de campo, em busca de fósseis humanos.  O Conselho de Cambridge insistia para que Leakey concentrasse seu trabalho na Europa e na Ásia, numa típica discriminação.  Mas Leakey venceu a queda-de-braço e estabeleceu-se no Quênia, nação onde fora criado.

Grande parte dos fósseis de hominídeos e de macacos humanóides até aqui descobertos são africanos.  Podemos citar os principais como: Aegyptopithecus (descoberto em 1960 no Deserto de Fayum); o Moeripithecus (descoberto em 1996 em Omã); o Ardipithecus (descoberto em 1994 na Etiópia) e a famosíssima “Lucy”, o Australopithecus africanus (macaco do sul da África).  São descobertas africanas ainda: o Paranthropus robustus (ou Australopithecus robustus), o Zinjanthropus boisei ( ou Paranthropus boisei), Proconsul africanus (1931), o Kenyapithecus ou Ramapithecus (1960), o Victoriapithecus (1966) e a famosa série do gênero Homo (Homo habilis, Homo ergaster e Homo rudolfensis) descoberta entre 1963 e 1968 pelos membros da família Leakey (Louis, Mary, Jonathan, Tobias, Napier e Richard - pai, mãe e filhos), além do “Garoto de Turkana”, um Homo erectus, descoberto por Richard Leakey em 1984.

Concluímos oportunamente que a discriminação de um modo geral, especialmente a racial, afeta as mais inusitadas áreas do conhecimento humano, inclusive o próprio conhecimento sobre as origens do homem.  Mas é provável que, pelo menos no campo da ciência, um pouco do preconceito tenha se perdido na própria ânsia da descoberta.  É provável que o Conselho de Cambridge, nos primórdios da década de 1930, tenha agido ainda sobre a batuta da insana valorização da raça ariana, que poucos anos depois faria eclodir sobre o mundo o mais cruel dos conflitos militares armados, a II Grande Guerra Mundial.

Pelo menos é o que esperamos e acreditamos.