As duas primeiras frases criam no leitor certa expectativa em relação ao tema que se mantém em suspenso até a terceira frase. Pode-se também construir todo o primeiro parágrafo omitindo o tema, esclarecendo-o apen Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: O parágrafo-chave: 18 formas para você começar um texto

por:

Caríssimos, um dos motivos que torna a redação uma pedra no sapato de muitos é a elaboração do primeiro parágrafo, ou seja, da introdução. Feito o parágrafo-chave, as ideias fluem com mais facilidade, já que definimos o ponto de vista que iremos defender.

O professor Antonio Carlos Viana, dá-nos algumas sugestões para iniciarmos nossos textos, confiram.

O parágrafo-chave: 18 formas para você começar um texto

Ao escrever seu primeiro parágrafo, você pode fazê-lo de forma criativa. Ele deve atrair a atenção do leitor. Por isso, evite os lugares-comuns como: atualmente,hoje em dia, desde épocas remotas, o mundo de hoje, a cada dia que passa, nomundo em que vivemos, na atualidade.

Listamos aqui dezoito formas de começar um texto. Elas vão das mais simples as mais complexas.

1. Uma declaração (tema: liberação da maconha)

É um grave erro a liberação da maconha. Provocará de imediato violenta elevaçãodo consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogaspsicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão estruturasuficiente para atender à demanda.

A declaração é a forma mais comum de começar um texto. Procure fazer uma declaração forte, capaz de surpreender o leitor.

2. Divisão (tema: exclusão social)

Predominam ainda no Brasil duas convicções errôneas sobre o problema daexclusão social: a de que ela deve ser enfrentada apenas pelo poder público e a deque sua superação envolve muitos recursos e esforços extraordinários. Experiênciasrelatadas nesta Folha mostram que o combate à marginalidade social em Nova Yorkv em contando com intensivos esforços do poder público e ampla participação dainiciativa privada.

Ao dizer que há duas convicções errôneas, fica logo clara a direção que o parágrafo vai tomar. O autor terá de explicitá-lo na frase seguinte.

3.Definição (tema: o mito)

O mito, entre os povos primitivos, é uma forma de se situar no mundo, isto é,de encontrar o seu lugar entre os demais seres da natureza. É um modo ingênuo,fantasioso, anterior a toda reflexão e não-crítico de estabelecer algumas verdades quenão só explicam parte dos fenômenos naturais ou mesmo a construção cultural, masque dão, também, as formas da ação humana.

A definição é uma forma simples e muito usada em parágrafos-chave, sobretudo em textos dissertativos. Pode ocupar só a primeira frase ou todo o primeiro parágrafo.

4. Uma pergunta (tema: a saúde no Brasil)

Será que é com novos impostos que a saúde melhorará no Brasil? Oscontribuintes já estão cansados de tirar dinheiro do bolso para tapar um buracoque parece não ter fim. A cada ano, somos lesados por novos impostos paraalimentar um sistema que só parece piorar.

A pergunta não é respondida de imediato. Ela serve para despertar a atenção do leitor para o tema e será respondida ao longo da argumentação.

5. Comparação (tema: reforma agrária)

O tema da reforma agrária está presente há bastante tempo nasdiscussões sobre os problemas mais graves que afetam o Brasil. Numacomparação entre o movimento pela abolição da escravidão no Brasil, no finaldo século passado e, atualmente, o movimento pela reforma agrária, podemosperceber algumas semelhanças. Como na época da abolição da escravidãoexistiam elementos favoráveis e contrários a ela, também hoje há os que são afavor e os que são contra a implantação da reforma agrária.

Para introduzir o tema da reforma agrária, o autor comparou a sociedade de hoje com a do final do século XIX, mostrando a semelhança de comportamento entre elas.

6. Oposição (tema: a educação no Brasil)

De um lado, professores mal pagos, desestimulados, esquecidos pelogoverno. De outro, gastos excessivos com computadores, antenas parabólicas,aparelhos de videocassete. É este o paradoxo que vive hoje a educação noBrasil.

As duas primeiras frases criam uma oposição (de um lado / de outro) que estabelecerá o rumo da argumentação. Também se pode criar uma oposição dentro da frase, como neste exemplo:

Vários motivos me levaram a este livro. Dois se destacam pelo grau deenvolvimento: raiva e esperança. Explico-me: raiva por ver o quanto a culturaainda é vista como artigo supérfluo em nossa terra; esperança por observarquantos movimentos culturais têm acontecido em nossa história, e quasesempre como forma de resistência e/ou transformações.(...)

O autor estabelece a oposição e logo depois explica os termos que a compõem.

7. Alusão histórica (tema: globalização)

Após a queda do muro de Berlim, acabaram-se os antagonismos lesteoestee o mundo parece ter aberto de vez as portas para a globalização. Asfronteiras foram derrubadas e a economia entrou em rota acelerada decompetição.

O conhecimento dos principais fatos históricos ajuda a iniciar um texto. O leitor é situado no tempo e pode ter uma melhor dimensão do problema.

8. Uma frase nominal seguida de explicação (tema: a educação no Brasil)

Uma tragédia. Essa é a conclusão da própria Secretaria de Avaliação eInformação Educacional do Ministério da Educação e Cultura sobre odesempenho dos alunos do 3º ano do 2º grau submetidos ao Saeb (Sistema deAvaliação da Educação Básica), que ainda avaliou estudantes em todas as regiões do território nacional.

A palavra tragédia é explicada logo depois, retomada por essa é aconclusão.

9. Adjetivação (tema: a educação no Brasil)

Equivocada e pouco racional. Esta é a verdadeira adjetivação para apolítica educacional do governo.

A adjetivação inicial será a base para desenvolver o tema. O autor dirá, nos parágrafos seguintes, por que acha a política educacional do governo equivocada e pouco racional.

10. Citação (tema: política demográfica)

"As pessoas chegam ao ponto de uma criança morrer e os pais nãochorarem mais, trazerem a criança, jogarem num bolo de mortos, virarem ascostas e irem embora". O comentário do fotógrafo Sebastião Salgado, falandosobre o que viu em Ruanda, é um acicate no estado de letargia ética quedomina algumas nações do Primeiro Mundo.

A citação inicial facilita a continuidade do texto, pois ela é retomada pela palavra comentário da segunda frase.

11. Citação de forma indireta (tema: consumismo)

Para Marx a religião é o ópio do povo Raymond Aron deu o troco: omarxismo é o ópio dos intelectuais. Mas nos Estados Unidos o ópio do povo émesmo ir às compras. Como as modas americanas são contagiosas, é bom verde que se trata.

Esse recurso deve ser usado quando não sabemos textualmente a citação. É melhor citar de forma indireta que de forma errada

12. Exposição de ponto de vista (tema: o provão)

O ministro da Educação se esforça para convencer de que o provão éfundamental para a melhoria da qualidade do ensino superior. Para isso, vemocupando generosos espaços na mídia e fazendo milionária campanha publicitária, ensinando como gastar mal o dinheiro que deveria ser investido naeducação

Ao começar o texto com a opinião contrária, delineia-se, de imediato, qual a posição dos autores. Seu objetivo será refutar os argumentos do opositor, numa espécie de contra-argumentação.

13. Retomada de um provérbio (tema: mídia e tecnologia)

O corriqueiro adágio de que o pior cego é o que não quer ver se aplicacom perfeição na análise sobre o atual estágio da mídia: desconhecer ou tentarignorar os incríveis avanços tecnológicos de nossos dias, e supor que eles nãoterão reflexos profundos no futuro dos jornais é simplesmente impossível.

Sempre que você usar esse recurso, não escreva o provérbio simplesmente. Faça um comentário sobre ele para quebrar a ideia de lugar-comum que todos eles trazem. No exemplo acima, o autor diz "o corriqueiro adágio" e assim demonstra que está consciente de que está partindo de algo por demais conhecido.

14. Ilustração (tema: aborto)

O Jornal do Comércio, de Manaus, publicou um anúncio em que umajovem de dezoito anos, já mãe de duas filhas, dizia estar grávida mas nãoqueria a criança. Ela a entregaria a quem se dispusesse a pagar sua ligação detrompas. Preferia dar o filho a ter que fazer um aborto.

O tema é tabu no Brasil.(...)

Você pode começar narrando uma fato para ilustrar o tema. Veja que a coesão do parágrafo seguinte se faz de forma fácil; a palavra tema retoma a questão que vai ser discutida.

15. Uma sequência de frases nominais (frases sem verbo) (tema: a impunidade no Brasil)

Desabamento de shopping em Osasco. Morte de velhinhos numa clínicado Rio. Meia centena de mortes numa clínica de hemodiálise em Caruaru.Chacina de sem-terra em Eldorado dos Carajás.

Muitos meses já se passaram e esses fatos continuam impunes.

O que se deve observar nesse tipo de introdução são os paralelismos que dão equilíbrio às diversas frases nominais. A estrutura de cada frase deve ser semelhante.

16. Alusão a um romance, um conto, um poema, um filme (tema: a intolerância)

Quem assistiu ao filme A rainha Margot, com a deslumbrante IsabelleAdjani, ainda deve ter os fatos vivos na memória. Na madrugada de 24 deagosto de 1572, as tropas do rei de França, sob ordens de Catarina deMédicis, a rainha-mãe e verdadeira governante, desencadearam uma das maistenebrosas carnificinas da História.(...)

Desse horror a História do Brasil está praticamente livre(...)

O resumo do filme A rainha Margot serve de introdução para desenvolver o tema da intolerância religiosa. A coesão com o segundo parágrafo dá-se através da palavra horror, que sintetiza o enredo do filme contado no parágrafo inicial.

17. Descrição de um fato de forma cinematográfica (tema: violência urbana)

Madrugada de 11 de agosto. Moema, bairro paulistano de classe média.Choperia Bodega - um bar da moda, frequentado por jovens bem-nascidos.

Um assalto. Cinco ladrões. Todos truculentos. Duas pessoas mortas:Adriana Ciola, 23, e José Renato Tahan, 25. Ela, estudante. Ele, dentista.

O parágrafo é desenvolvido por flashes, o que dá agilidade ao texto e prende a atenção do leitor. Depois desses dois parágrafos, o autor fala da origem do movimento "Reage São Paulo".

18. Omissão de dados identificadores (tema: ética)

Mas o que significa, afinal, esta palavra, que virou bandeira dajuventude? Com certeza não é algo que se refira somente à política ou àsgrandes decisões do Brasil e do mundo. Segundo Tarcísio Padilha, ética é umestudo filosófico da ação e da conduta humanas cujos valores provêm daprópria natureza do homem e se adaptam às mudanças da história e dasociedade.

Caríssimos, dependendo do tema que será abordado, há algumas sugestões bem interessantes que podem ser aproveitadas. Há que se verificar a natureza do concurso, as características da instituição promotora, para produzir o seu texto.

As duas primeiras frases criam no leitor certa expectativa em relação ao tema que se mantém em suspenso até a terceira frase. Pode-se também construir todo o primeiro parágrafo omitindo o tema, esclarecendo-o apenas no parágrafo seguinte.