Administração de Conflitos

Aucélio Gusmão

por:

sobre: Administração

Conflitos têm as mais diferentes origens. O mais comum decorre do fato das pessoas terem perspectivas distintas em relação à visão, decisões, alocação de recursos e coisas do gênero. Às vezes, acontece por não se ter entendido o ponto de vista da outra pessoa.

O método conciliatório não significa fugir da solução – saindo de perto ou negando-a –, tentar se proteger ou brigar pela sua posição, porém aprender a gerenciá-lo, adotando uma posição de equilíbrio, ouvindo e aprendendo, arbitrando e resolvendo.

A verdade é que muitas pessoas vêem o mundo de forma diferente, por razões culturais, educacionais, costumes e outras tantas que interferem numa uniformidade de pensamento. Há os que manifestam posição ou entendimento; outros ficam calados, contudo com um menor envolvimento e compromisso.

Há quem diga que os conflitos são bons. Acordam as pessoas no sentido da não conformidade absoluta e que têm que valorizar as diferenças, abrir seus horizontes, expandir sua visão e resolver o problema.

Certo fica também que se pode encontrar uma solução mutuamente aceitável. Se a proposta for calcada em honestidade e respeito, pode haver flexibilidade e aqueles em desacordo abandonarem suas posições, algo que passe do compromisso à colaboração, logo mais à sinergia.

Merece consideração o comportamento confiante. Atrai os simpatizantes na mesma moeda. Chega ao princípio da reciprocidade social “o que você recebe de volta é o que você dá aos outros”, ou de forma mais singular “o que vai volta”.

De toda sorte alguém precisa ter a iniciativa. O fato de relevância é de que cada um vê sua verdade como a verdadeira e, se não houver alguma flexibilidade, cairemos na máxima do professor Covey. Touro Sentado, o famoso chefe indígena – e quem não conhece – ensina: “primeiro, ofereça ao seu oponente o cachimbo da paz”. O consenso e a sinergia para se tornarem fato precisam de cooperação em vez de competição.

Sabemos que alguns conflitos certamente nunca serão resolvidos por causa de medo, rigidez, intolerância, raiva, paranóia e outros aspectos emocionais negativos, bloqueadores de qualquer negociação.

A sabedoria sinaliza que compensa acomodação em assuntos de menor relevância. Em outros casos, é preciso competir, usando todos os recursos que disponha. Afinal, o todo não poderá ser prejudicado.

Voltando a Touro Sentado, quando não for possível nenhum acordo por se tratar de item inegociável, sua sugestão é: “Enfrente-o com todas as suas forças. Vença-o. Depois de vencê-lo, esqueça o passado”.

“Ou todo mundo ganha ou não tem negócio.”
Stephen Covey


Últimas Notícias

Exploração de combustíveis fósseis ameaça oceanos, afirma pesquisa alemã

Exploração de combustíveis fósseis ameaça oceanos, afirma pesquisa alemã

Sexta, 14/08/15
Cientistas alemães concluíram que é urgente acabar com o consumo de combustíveis... mais »
Fuvest divulga o Manual do Candidato 2016; inscrições abrem dia 21

Fuvest divulga o Manual do Candidato 2016; inscrições abrem dia 21

Segunda, 10/08/15
O manual do vestibular 2016 da Fuvest já pode ser acessado gratuitamente na inte... mais »
Começam hoje inscrições para o Fies 2015.2

Começam hoje inscrições para o Fies 2015.2

Segunda, 03/08/15
 Começam hoje (3) as inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (F... mais »

Publique seu artigo

Utilize o espaço que o Algo Sobre disponibiliza para você professor, jornalista ou estudante divulgar seu trabalho com publicações no site.

Enviar agora