Militar e político paraguaio (3/11/1912-). Nasce em Encarnación, filho de um imigrante alemão. Cursa a Escola Militar de Assunção e inicia a carreira em 1932. No posto de subtenente, luta contra a Bolívia na Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Alfredo Stroessner

por:

Militar e político paraguaio (3/11/1912-). Nasce em Encarnación, filho de um imigrante alemão. Cursa a Escola Militar de Assunção e inicia a carreira em 1932. No posto de subtenente, luta contra a Bolívia na Guerra do Chaco (1932-1935), ao fim da qual o Paraguai conquista três quartos do território em disputa, rico em petróleo. Stroessner sobe na hierarquia militar e torna-se comandante-chefe do Exército em 1951.

Alfredo Stroessner Três anos mais tarde, lidera um golpe contra o presidente Federico Chávez, apoiado pela direitista Associação Nacional Republicana (Partido Colorado). Assume a Presidência depois de uma eleição em que se apresenta como candidato único e instala um regime ditatorial - reelege-se por sete vezes consecutivas. Reprime rebeliões de oposição em 1959 e em 1964.

Reduz a inflação, estabiliza o câmbio e investe em obras públicas, construindo escolas e hospitais. Ao mesmo tempo, possibilita que a corrupção se generalize e emprega metade da arrecadação em despesas militares. Em 1973 assina com o Brasil um acordo para a construção da usina hidrelétrica de Itaipu. Em fevereiro de 1989, é deposto por um golpe encabeçado por seu principal colaborador, Andrés Rodríguez Pedotti, e exila-se em Brasília, no Brasil.

Adoentado, com câncer de pele, tem como únicas companhias o filho, Gustavo, e os guarda-costas. Sua mulher, Lisia Mora, vive em Miami com a filha Graciela desde a deposição do marido.