Compositor carioca (22/9/1767-30/4/1830). Um dos principais nomes da música erudita no Brasil. Filho de mulatos, fica órfão de pa...Pressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.
Título do artigo:

José Maurício Nunes Garcia

97

por:

Compositor carioca (22/9/1767-30/4/1830). Um dos principais nomes da música erudita no Brasil. Filho de mulatos, fica órfão de pai aos 6 anos. Autodidata, dedica-se à música sacra. Em 1792 ordena-se padre. Dá aulas de música e um de seus alunos é Francisco Manuel da Silva, autor do Hino Nacional Brasileiro.

Torna-se mestre-de-capela e professor de música da Catedral da Sé do Rio de Janeiro, em 1798. Em 1808 é mestre de música da Capela Real, depois Capela Imperial. Seguidor do músico alemão Joseph Haydn, destaca-se como compositor e regente - é o escolhido para reger a missa em comemoração da elevação do Brasil a Reino Unido.

José Maurício Nunes GarciaDeixa uma obra vasta, no começo típica do barroco, no final já com traços românticos, que chega a mais de 400 composições, entre missas, salmos, hinos, motetes, antífonas e também uma ópera, Le Due Gemelle (1808). Grande parte de sua obra se perde e outra parte é encontrada espalhada por diversas igrejas. De suas composições mais conhecidas destacam-se Missa em Si Bemol (1801), Zemira (1803) e Tantum Ergo (1809), missa fúnebre considerada obra-prima da música sacra brasileira.

Em 1819 rege o Requiem, de Wolfgang Amadeus Mozart, pela primeira vez no Brasil.