O engenheiro naval é responsável pelo desenvolvimento de projetos e operações de sistemas no mar: idealização, construção e fiscalização de embarcações de todos osPressione TAB e depois F para ouvir o conteúdo principal desta tela. Para pular essa leitura pressione TAB e depois F. Para pausar a leitura pressione D (primeira tecla à esquerda do F), para continuar pressione G (primeira tecla à direita do F). Para ir ao menu principal pressione a tecla J e depois F. Pressione F para ouvir essa instrução novamente.

Título do artigo: Engenharia Naval

por:

O Curso

O engenheiro naval é responsável pelo desenvolvimento de projetos e operações de sistemas no mar: idealização, construção e fiscalização de embarcações de todos os tipos — navios mercantes e de guerra, lanchas, veleiros, submarinos, plataformas, motores, equipamentos, robôs submarinos e máquinas marítimas. Para isso, considera a utilização da embarcação, a quantidade de carga a ser transportada, a distância a ser percorrida, o número de passageiros e o local em que o barco irá operar. Verifica a qualidade das matérias-primas, métodos de trabalho e acompanha toda a fabricação. Também trabalha no gerenciamento do transporte, controlando o tráfego de embarcações e os serviços de comunicação. Pode, ainda, atuar em prospecção e exploração de petróleo.

Mercado de Trabalho

As áreas tradicionais de emprego são os estaleiros navais, empresas de certificação, empresas de gestão de projeto, qualidade e segurança, empresas armadoras, empresas de serviços e consultoria em engenharia, organismos do estado, empresas técnico-comerciais, investigação e docência. As indústrias mais relacionadas são as de construção e reparação naval, pesca, logística e transportes (marítimos ou não).

Na parte da engenharia oceânica, praticamente todas as principais empresas do ramo petrolífero empregam engenheiros navais para a realização de projetos de exploração e produção de petróleo offshore.

O fato de a engenharia naval abranger conceitos das outras áreas de engenharia e de o profissional dessa modalidade ser capaz de analisar e simplificar problemas complexos, permite-se que esse engenheiro trabalhe também fora do setor naval. Um exemplo, é a presença frequente de engenheiros navais nos setores automobilístico, aeronáutico e da construção civil.

Ilustração 

Matérias

- Cálculo
- Estatística Aplicada
- Química Geral teórica
- Desenho Técnico
- Introdução a Engenharia Naval e Hidroviária
- Física Fundamental
- Mecanica Geral
- Estrutura e Propriedades dos Materiais
- Desenho Técnico Naval
- Sistemas de Transporte Aquaviário
- Materiais de Construções Mecanica
- Mecânica dos Sólidos
- Cálculo Numérico
- Logística de Transportes
- Laboratório Básico
- Metodologia Científica e Tecnológica
- Geomorfologia Fluvial
- Princípios de Fluxo

Fonte: ITEC